undefined
Beto Barata/PR - 10.3.2017
Segundo Janot, Temer não pode ser investigado por fatos que supostamente teriam ocorrido antes de assumir o cargo

O procurador-geral da República, Rodrigo Janot, disse nesta sexta-feira (31) ao Supremo Tribunal Federal (STF) que não pode investigar as citações ao presidente Michel Temer no depoimento de delação premiada do ex-diretor da Transpetro Sérgio Machado, na Operação Lava Jato.

Leia também: Fachin decidirá em abril se citados pela Odebrecht serão investigados

Segundo Janot , Temer não pode ser investigado por fatos que supostamente teriam ocorrido antes de assumir o cargo. Em um dos trechos dos depoimentos de delação, Machado citou um suposto encontro com Temer, em 2012, na Base Aérea de Brasília, onde o presidente teria dito que precisava de recursos para a campanha do candidato Gabriel Chalita (PMDB) à Prefeitura de São Paulo. Na época, Temer era vice-presidente do País.

Após o pedido, o ex-diretor teria conseguido R$ 1,5 milhão junto a dois empreiteiros da Queiroz Galvão, e fez o repasse ao diretório do PMDB. Segundo o delator, a quantia fazia parte de "comissão paga" por um contrato da empreiteira com a Transpetro, empresa subsidiária da Petrobras.

Na manifestação feita ao ministro Edson Fachin, relator da Operação Lava Jato no Supremo, a PGR argumenta que a Constituição garante ao presidente da República imunidade em relação a investigação de fatos que ocorreram antes de assumir o cargo.

Leia também: Julgamento da chapa Dilma-Temer tem duração imprevisível, dizem ministros do TSE

"Significa que há impossibilidade de investigação do presidente da Republica, na vigência de seu mandato, sobre atos estranhos ao exercício de suas funções", disse Janot. Procurada pela Agência Brasil , a Presidência da República informou que não vai comentar o assunto.

Lista de Janot

O ministro do STF Edson Fachin deve anunciar no mês que vem se aceita os 83 pedidos de abertura de investigação contra citados nas delações de ex-diretores da empreiteira Odebrecht no âmbito da Operação Lava Jato. De acordo com a assessoria do ministro, o trabalho de análise dos pedidos entrará pelo mês de abril.

"Fachin definiu que as decisões serão anunciadas em conjunto e está certo de que os trabalhos entrarão pelo mês de abril", comunicou a assessoria do STF. A decisão já era esperada que não fosse acontecer de imediato, já que na última sexta-feira (24) o ministro afirmou que ia levar o tempo "necessário" para analisar os pedidos do procurador-geral da República.

Leia também: Governo de Temer é considerado ruim ou péssimo por 55% da população, diz Ibope

Há duas semanas, o ministro recebeu do procurador-geral da República, Rodrigo Janot, os pedidos de investigação e deve assinar em conjunto todo o material sobre as delações da Odebrecht, que envolve 320 pedidos ao Supremo. Além dos 83 requerimentos de abertura de inquérito, há 211 solicitações de desmembramento das investigações para a primeira instância da Justiça, sete arquivamentos e 19 pedidos cautelares de providências.

* Com informações da Agência Brasil

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários