Tamanho do texto

Objetivo do encontro no Palácio do Planalto é adotar novas medidas para dar maior segurança à população, além de dar respaldo ao mercado externo

Temer precisará se posicionar sobre o escândalo para embaixadores de países importadores de carne brasileira
Alan Santos/PR 16.01.2017
Temer precisará se posicionar sobre o escândalo para embaixadores de países importadores de carne brasileira

O presidente Michel Temer se reúne neste domingo (19), às 14h, com o ministro Blairo Maggi, de Agricultura, Pecuária e Abastecimento, para tratar da Operação Carne Fraca. O objetivo do encontro no Palácio do Planalto é adotar novas medidas para dar maior segurança à população, além de dar respaldo ao mercado externo sobre o escândalo.

Leia também: Delação, condução coercitiva, offshore: conhece os termos da Lava Jato?

Também estarão presentes, a partir das 15h, além de Temer e Maggi, representantes do setor do agronegócio, como Antonio Camardelli, presidente da ABIEC (Associação Brasileira das Indústrias Exportadoras de Carne), Francisco Turrada, da ABPA (Associação Brasileira da Proteína Animal), além do presidente da CNA (Confederação Nacional da Agricultura), João Martins.

A Operação Carne Fraca investiga uma organização criminosa liderada por fiscais agropecuários federais e empresários do agronegócio  . De acordo com a PF, os fiscais – que contavam com a ajuda de servidores do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, no Paraná, Goiás e Minas Gerais – se utilizavam dos cargos para, mediante propinas, facilitar a produção de alimentos adulterados por meio de emissão de certificados sanitários sem que a verificação da qualidade do produto fosse feita.

A operação envolve grandes empresas, como a BRF Brasil, que controla marcas como Sadia e Perdigão, e também a JBS, dona não só da Seara, da BigFrango e da Friboi, mas também de outras empresas e de frigoríficos menores, como Mastercarnes e Peccin, do Paraná.
Segundo nota do Ministério de Agricultura, Pecuária e Abastecimento, Maggi determinou que três funcionários da Consultoria Jurídica do ministério viajassem para Curitiba, onde as investigações estão centralizadas, para obter os laudos periciais dos produtos analisados.

Além da reunião no início da tarde, outro encontro será feito a partir das 17h com embaixadores de países importadores de carne brasileira.

Posicionamento

Após a divulgação do escândalo, na sexta-feira (17), o Ministério de Agricultura, Pecuária e Abastecimento divulgou nota afirmando que o serviço de inspeção é considerado um dos mais eficientes e rigorosos do mundo. Ao todo, 33 fiscais federais estão sob investigação da Polícia Federal.

Leia também: Vereadora de São Paulo diz ter sido agredida por colega na Câmara

“A investigação da Polícia Federal e a pronta reação das nossas autoridades do Ministério da Agricultura são a maior prova de que nosso sistema de proteção e fiscalização está alerta e funcionando plenamente, e servem como garantia ao consumidor da qualidade dos produtos de origem agropecuária de nosso país”, diz ainda a nota.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.