Presidente Michel Temer criticou as manifestações feitas pela a oposição contra a reforma da Previdência
Marcos Corrêa/PR - 16.3.2017
Presidente Michel Temer criticou as manifestações feitas pela a oposição contra a reforma da Previdência

Em evento realizado nesta sexta-feira (17) na sede da CNI (Confederação Nacional da Indústria), em São Paulo, o presidente Michel Temer afirmou que o Planalto está aberto para discutir mudanças na reforma da Previdência. A proposta está em tramitação no Congresso e é alvo de protestos de centrais sindicais e movimentos sociais em todo o País.

Leia também: Em manifestação, Lula diz que governo quer impor reforma "goela abaixo"

“Nós achamos que a proposta ideal, a necessária para colocar o País nos trilhos de uma vez, é aquela que o Executivo mandou. Nós não estamos negando qualquer espécie de conversação. O que não podemos é quebrar a espinha dorsal da Previdência”, ressaltou Michel Temer durante a palestra para executivos de cerca de 100 empresas.

Apesar de admitir eventuais modificações, o presidente reiterou que a reforma é imprescindível para evitar problemas no caixa do setor público. “Nós temos um deficit de R$ 149 bilhões na Previdência Social. Temos estados que estão quebrando por causa da Previdência”, enfatizou.

O mandatário também criticou os argumentos apresentados pela oposição ao projeto. “Eu vejo com frequência que há movimentos de protesto que são de natureza política, não movimentos de natureza técnica”, disse.

Leia também: Maia quer aprovar reforma na Previdência sem mexer na proposta do governo

Você viu?

O presidente também destacou a importância da relação com o Congresso , que discute a reforma em uma comissão especial: “Se não houver interação do Executivo com o Legislativo, você não consegue governar”.

Crescimento econômico

Temer destacou a retomada na geração de empregos em fevereiro, após 22 meses de queda, e ressaltou os impactos da notícia anunciada ontem para a economia brasileira. “Nós esperávamos que a retomada do emprego começasse a se processar no segundo semestre. O primeiro passo, sem dúvida nenhuma, era combater a recessão”, ressaltou.

A respeito da inflação, o presidente afirmou que espera, ainda neste ano, que o índice fique abaixo do centro da meta estabelecida pelo Banco Central . “A projeção é que ao final do ano estaremos abaixo de 4%, quando o centro da meta é 4,5%”, enfatizou. A retração da inflação já está possibilitando, de acordo com o presidente, a redução das taxas de juros. “A Selic [taxa básica de juros] vem caindo. Os juros estão começando a cair e vão cair”.

Leia também: Em dia de greves, Temer diz que reforma da Previdência salvará País do colapso

Segundo Michel Temer, o governo se prepara agora para socorrer os estados em dificuldade financeira. Nesse sentido, destacou mudanças na Lei de Responsabilidade Fiscal para permitir que o governo federal auxilie os governos estaduais. “Não podemos auxiliar o estado do Rio de Janeiro, com empréstimos etc., sem contrapartida, sob pena de nós, da União, vulnerarmos a lei de Responsabilidade Fiscal."


* Com informações da Agência Brasil

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários