Tamanho do texto

Presidente da Câmara disse que as investigações serão uma oportunidade para esclarecer os fatos e que elas não atrapalham o funcionamento da Casa

Para o presidente da Câmara, Rodrigo Maia, as investigações serão uma oportunidade para esclarecer os fatos
Marcelo Camargo/Agência Brasil
Para o presidente da Câmara, Rodrigo Maia, as investigações serão uma oportunidade para esclarecer os fatos

O presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM-RJ), disse nesta quarta-feira (15) que o envio ao Supremo Tribunal Federal (STF) de 83 pedidos de abertura de inquérito sobre citados nas delações de ex-diretores da empreiteira Odebrecht, no âmbito da Operação Lava Jato, não vai prejudicar o funcionamento do Congresso Nacional.

Para Rodrigo Maia , as investigações serão uma oportunidade para esclarecer os fatos. Os pedidos foram remetidos à Corte pelo Procurador-Geral da República, Rodrigo Janot, sob sigilo, e os nomes dos citados não foram divulgados oficialmente.

“O inquérito é muito importante porque vai me dar as condições para que eu esclareça os fatos, provando que não há nada contra mim, contra minha conduta e contra minha história. O inquérito vai ser arquivado", disse Maia, em entrevista à imprensa depois de participar de reunião no Palácio do Planalto com os presidentes da República, Michel Temer, do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), Gilmar Mendes, e do Senado, Eunício Oliveira (PMDB-CE).

Leia também: Por "equilíbrio no mercado", Maia defende que mulheres se aposentem mais tarde

“A lista de Janot não atrapalha. E o mais importante, as instituições estão funcionando, que o Ministério da Justiça e o Ministério Público continuem avançando nas investigações, porque elas são muito importantes e que o Congresso continue votando as reformas que o Brasil tanto precisa, seja na área econômica, seja na área política, para que o Brasil possa superar a crise”, acrescentou o presidente da Câmara.

Sem quórum

A sessão plenária deliberativa da Câmara desta quarta-feira foi encerrada por falta de quórum e a reunião de líderes partidários da Câmara prevista para definir quais partidos ou blocos parlamentares vão presidir as comissões permanentes foi cancelada. “As comissões não estão funcionando não é por nenhuma crise, é apenas porque não se conseguiu ainda construir um consenso em relação à colocação de cada partido em cada comissão”, disse Maia.

Leia também: Gleisi Hoffmann pede Dilma como testemunha em ação da Lava Jato

O deputado afirmou que vai buscar consenso entre os partidos e tentar remarcar reunião de líderes para quinta-feira (16). Caso não haja acordo, Rodrigo Maia disse que a indicação dos membros das comissões deve ocorrer até a próxima terça-feira (21) pelo critério da proporcionalidade dos partidos.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.