Eliseu Padilha está internado em Porto Alegre; ministro-chefe da Casa Civil seria
Antônio Cruz/ Agência Brasil - 12.05.2016
Eliseu Padilha está internado em Porto Alegre; ministro-chefe da Casa Civil seria "preposto de Temer", segundo empreiteiro

A Procuradoria-Geral da República (PGR) recebeu na noite desta quinta-feira (2) representação pedindo a abertura de um inquérito para investigar fatos ligados ao ministro-chefe da Casa Civil, Eliseu Padilha.

Na representação protocolada pelo PSOL, o partido menciona as declarações de José Yunes, ex-assessor do presidente Michel Temer , segundo o qual Eliseu Padilha teria pedido a ele que recebesse um "pacote" em seu escritório, em São Paulo, em 2014. Esse pacote teria sido posteriormente retirado pelo lobista Lúcio Funaro, apontado como operador de propinas de Eduardo Cunha (PMDB) no esquema de corrupção investigado pela Operação Lava Jato.

O pedido de investigação contra Padilha, que está licenciado da Casa Civil devido a uma cirurgia na próstata , é assinado pelos pelos deputados Glauber Braga, Chico Alencar e Jean Wyllys (RJ), Edmilson Rodrigues (PA), e Ivan Valente e Luiz Erundina (SP).

O líder do partido, Glauber Rocha, explica que o objetivo da representação é "ampliar as investigações sobre as informações prestadas por Yunes". "É importantíssimo que uma haja profunda investigação, visto que os fatos incidem diretamente sobre o presidente da República e seu ministro-chefe.”

LEIA TAMBÉM: Delator da Odebrecht diz ter pago R$ 9 milhões em caixa dois a Aécio Neves

Você viu?

Pedido a José Yunes

Em depoimento prestado aos procuradores da Lava Jato no fim do ano passado, o ex-diretor da Odebrecht Cláudio Melo Filho declarou que parte de um pagamento de R$ 4 milhões feito por Marcelo Odebrecht foi remetido ao escritório de José Yunes em São Paulo.

"Estive com Michel Temer em um jantar no Jaburu, oportunidade em que ele solicitou a
Marcelo Odebrecht pagamento ao PMDB. Esses pagamentos, no valor de R$ 4 milhões, foram realizados via Eliseu Padilha, preposto de Temer, sendo que um dos endereços de entrega foi o escritório de advocacia do senhor José Yunes", disse Melo Filho aos investigadores.

Procurada pela reportagem do iG, a assessoria de imprensa de Padilha informou que ele não iria se pronunciar a respeito das declarações do ex-assessor de Temer. O ministro está internado em Porto Alegre, com previsão de volta aos trabalhos na próxima segunda-feira (6).

De acordo com o boletim médico divulgado nesta sexta-feira pelo hospital, Eliseu Padilha “encontra-se com boa evolução do quadro de saúde, recuperando-se adequadamente do procedimento urológico cirúrgico realizado no dia 27 de fevereiro”.

*Com informações da Agência Brasil

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários