Tamanho do texto

Na terça-feira (14), Celso de Mello negou dois pedidos de liminar para que o Supremo impedisse a nomeação; apesar disso, os mandados de segurança seguem em aberto e devem ser apreciados pelos demais ministros da Corte

Nomeação de Moreira Franco como ministro da Secretaria Geral da Presidência é questionada pela oposição no STF
Fabio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil - 14.7.2014
Nomeação de Moreira Franco como ministro da Secretaria Geral da Presidência é questionada pela oposição no STF

O ministro Celso de Mello, do Supremo Tribunal Federal (STF), afirmou nesta quarta-feira (15) que irá convocar o ministro da Secretaria-Geral da Presidência da República, Moreira Franco, para se manifestar nos processos que questionam sua nomeação para o cargo. Franco ainda não se manifestou nas ações. A defesa de sua nomeação foi feita pela Advocacia-Geral da União (AGU).

Na terça-feira (14), Celso de Mello negou dois pedidos de liminar (decisão urgente e provisória) para que o STF impedisse a nomeação. Apesar disso, os mandados de segurança seguem em aberto e devem ser apreciados pelos demais ministros da Corte, caso Moreira Franco se mantenha no cargo pelos próximos meses.

A manifestação do próprio ministro da Secretaria-Geral da Presidência “é necessária para que a decisão do Supremo, qualquer que ela seja, tenha eficácia”, afirmou o ministro do Supremo nesta quarta-feira (15).

O ministro do STF também disse que, se não houver recurso, não levará a decisão em que negou as liminares para ser referendada pelos demais ministros. “Não há necessidade de submeter ao referendo do plenário em se tratando de decisão liminar com sede em mandado de segurança”, disse Mello ao chegar para a sessão plenária desta quarta-feira.

LEIA MAIS: Justiça autoriza nomeação de Moreira Franco como ministro de Temer

Isso quer dizer que o caso só deve chegar ao plenário após cumpridas diversas etapas processuais, incluindo a manifestação do procurador-geral da República, Rodrigo Janot, que deverá dar seu parecer sobre o assunto.

Entenda o caso

Os mandados de segurança que questionam a nomeação de Moreira Franco para o cargo de ministro foram protocolados pelos partidos Psol e Rede Sustentabilidade. Antes de ser ministro, era secretário-executivo do Programa de Parcerias de Investimento (PPI).

As legendas, de oposição ao governo, argumentam que o ato teve desvio de finalidade, e o objetivo é conceder foro privilegiado a Franco. Com isso, não responderia a possíveis ações decorrentes das investigações da Operação Lava Jato na primeira instância da Justiça Federal, em Curitiba. Os partidos dizem ainda que ele foi citado na delação premiada de um ex-executivo da Odebrecht como envolvido em casos de corrupção.

LEIA MAIS: Temer diz ver com "tranquilidade" decisão do STF sobre Moreira Franco

Em sua decisão, Celso de Mello entendeu que  nomeação de alguém para o cargo de ministro de Estado não pode ser encarada como um fato de obstrução da Justiça e destacou que a prerrogativa de foro privilegiado é uma consequência da nomeação. Na semana passada, três decisões liminares da primeira instância da Justiça Federal chegaram a barrar a nomeação, todas posteriormente derrubadas.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.