Tamanho do texto

Jungmann afirmou que acordos entre os países irão auxiliar no combate ao tráfico de drogas e armas, além de evitar que dissidentes das Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia desviem parte do seu arsenal para o Brasil

Ministro da Defesa, Raul Jungmann fala sobre a situação dos presídios e os acordos com a Colômbia
Divulgação/ Sd Mike Allen/ II Comar
Ministro da Defesa, Raul Jungmann fala sobre a situação dos presídios e os acordos com a Colômbia

O ministro da Defesa, Raul Jungmann, se reunirá com o ministro da Defesa e comandantes das Forças Armadas da Colômbia na próxima terça-feira (31), em Manaus, para fechar acordos de trabalho conjunto entre os dois países, tal como ações de inteligência e de combate ao tráfico de armas e drogas.

Exército e PMs fazem revista na Penitenciária de Monte Cristo em Roraima

“Não se faz combate ao crime sem inteligência para fazer uma intervenção cirúrgica e obter sucesso”, disse Jungmann em entrevista no Recife. "Hoje tem o encerramento, por assim dizer, de uma guerra civil, e também uma grande produção de drogas. Então considero esse encontro estratégico, e nós vamos fazer com todos os outros ministros da Defesa que queiram, evidentemente, e também com os comandantes militares”, acrescentou.

Depois de meio século de conflito entre o governo colombiano e as Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (Farc), um acordo de paz entrou em vigor no dia 1º de dezembro de 2016. O acordo prevê, entre outros, a erradicação do cultivo de drogas ilegais e a entrega de armas da guerrilha à Organização das Nações Unidas.

Agentes entram em Alcaçuz e dão início a operação de retomada do presídio

Segundo Jungmann, há uma preocupação sobre a entrada dessas armas no Brasil. “Existem alguns dissidentes das Farc que não estão dispostos a entrar nesse processo [de paz], e há um temor, justificado ou não, de que parte desse arsenal possa migrar para as nossas cidades.”

Forças Armadas em Roraima

No Recife, Jungmann anunciou nesta sexta-feira (27) o início da operação das Forças Armadas no Presídio Monte Cristo, em Roraima, onde desde as 6h militares fazem uma varredura em busca de armas, drogas, túneis de fuga e celulares. Um balanço da ação será divulgado no fim do dia com a lista dos objetos apreendidos.

Segundo Jungmann, 335 militares atuam nas buscas sem contato com os presos. Entre outros equipamentos, os agentes utilizam um raio-X para paredes e uma máquina que serve para detectar túneis, além de 15 cães treinados para encontrar drogas.

O papel de contenção da população carcerária é das forças policiais do estado, que entraram no presídio antes das Forças Armadas. O Ministério Público Militar acompanha a operação.

Rio chega a acordo com o governo federal por empréstimos de R$ 6,5 bilhões

Além de Roraima, o Amazonas, o Rio Grande do Norte e pelo menos mais dois estados requisitaram as varreduras, segundo Jungmann.

As datas das operações não serão divulgadas por questões de segurança. Antes da entrada das Forças Armadas, os presídios precisam estar controlados pelos estados. “Nós estamos realizando esse trabalho, mas a responsabilidade de manter os presídios limpos é do governo estadual”, destacou o ministro da Defesa.