Tamanho do texto

Montante estava depositado em contas de empresas offshore da Suíça em nome de João Procópio; dinheiro era utilizado para pagamento de propinas

Lava Jato: contas das empresas offshores foram utilizadas pelo doleiro Alberto Youssef para o pagamento de propina
Alex Ferreira/ Câmara dos Deputados - 27.10.15
Lava Jato: contas das empresas offshores foram utilizadas pelo doleiro Alberto Youssef para o pagamento de propina

Após acordo com autoridades suíças, o Departamento de Recuperação de Ativos e Cooperação Jurídica Internacional (DRCI) do Ministério da Justiça conseguiu repatriar em janeiro US$ 1,6 milhão que estavam depositados em contas de empresas offshore da Suíça em nome de João Procópio Junqueira de Almeida Prado, preso na Operação Lava Jato por atuar como laranja do doleiro Alberto Youssef. O valor em reais corresponde a pouco mais de R$ 5 milhões na cotação do dólar desta terça-feira (24).

Cármen Lúcia autoriza juízes auxiliares de Teori a seguirem com a Lava Jato

Segundo o ministério, Procópio firmou acordo de colaboração premiada, em maio de 2015, com o Ministério Público Federal e a força-tarefa da Lava Jato . Pelo acordo, ele se comprometeu a repatriar valores depositados em contas bancárias de diversas empresas offshore, mantidas no banco PKB Privatbank SA, que eram por ele controladas em bancos suíços.

De acordo com o Ministério da Justiça, além da recuperação dos ativos, foram obtidos também documentos bancários de empresas que poderão auxiliar as investigações do esquema de corrupção em contratos da Petrobras apurados pela Lava Jato.

Em nota, o ministério informou que o pedido de cooperação jurídica internacional para a repatriação foi feito pela Procuradoria-Geral da República (PGR) no Paraná, em novembro de 2015.

O esquema

As contas das empresas offshore, segundo o órgão, foram utilizadas por Alberto Youssef, com o auxílio de João Procópio, para o pagamento de propina a servidores públicos, partidos e agentes políticos.

Youssef deixa carceragem e passa a cumprir prisão domiciliar após três anos

De acordo com a PGR, em três anos de atuação, foram firmados no âmbito da Lava Jato 126 acordos de cooperação internacional com 33 países. Em contrapartida, o Brasil recebeu pedidos de 17 países que solicitaram cooperação brasileira para suas próprias investigações relacionadas ao caso.

Até o final do ano passado, ações relacionadas à operação em tramitação no Supremo Tribunal Federal (STF) resultaram na repatriação R$ 79 milhões. Quarenta e um acordos de colaboração premiada foram homologados pela Corte.

Da atuação da Justiça Federal na primeira instância, R$ 10,1 bilhões são alvo de recuperação, sendo que R$ 756,9 milhões são objeto de repatriação.

Lava Jato

A Operação Lava Jato, deflagrada pela Polícia Federal em 17 de março de 2014, visa desmontar um esquema de lavagem de dinheiro e de evasão de divisas que movimentou centenas de milhões de reais.

As investigações indicam a existência de um grupo brasileiro especializado no mercado ilegal de câmbio. Em seu centro estão funcionários do primeiro escalão da Petrobras, a maior empresa estatal do Brasil. A PF apontou o pagamento de propina envolvendo executivos de empresas, especialmente empreiteiras, que assinaram contratos com a companhia de petróleo e políticos.

Lava Jato: Rolls-Royce firma acordo com MPF e pagará R$ 81,1 milhões à Petrobras

Entre os crimes cometidos, aponta a investigação da Lava Jato, estão sonegação fiscal, movimentação ilegal de dinheiro, evasão de divisas, desvio de recursos públicos e corrupção de agentes públicos.

* Com informações da Agência Brasil

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.