Tamanho do texto

Teori, que era o relator do processo, trabalhava durante nas 77 delações da Odebrecht que estão em seu gabinete e estavam prestes a ser homologadas

Cármen Lúcia permitiu que os juízes auxiliares do ministro Teori Zavascki seguissem com o processo da Lava Jato
José Cruz/ Agência Brasil - 16.11.2016
Cármen Lúcia permitiu que os juízes auxiliares do ministro Teori Zavascki seguissem com o processo da Lava Jato

Os juízes auxiliares do ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Teori Zavascki – que morreu na última quinta-feira (19) em um acidente aéreo no Rio de Janeiro – estão autorizados a retomarem, a partir desta terça-feira (24) os procedimentos formais para que as delações de executivos da empreiteira Odebrecht sejam homologadas, no âmbito da Operação Lava Jato.

A permissão foi dada pela presidente do STF , Cármen Lúcia, que passou boa parte de tarde desta segunda-feira (23) no gabinete de Teori, onde conversou com os juízes auxiliares do ministro . Devido ao sigilo dos processos, não é possível saber se a autorização para que os depoimentos sejam retomados diz respeito a uma delação específica ou a todas.

Teori Zavascki, que era o relator da Lava Jato no STF, trabalhava durante o recesso nas 77 delações da Odebrecht que se encontram em seu gabinete e estavam prestes a ser homologadas, isto é, a serem validadas como prova.

O ministro já havia autorizado que seus juízes auxiliares começassem, esta semana, a ouvir os delatores para saber se eles prestaram de livre e espontânea vontade as informações que constam nos mais de 800 depoimentos colhidos pelo Ministério Público Federal (MPF). Esta é uma etapa formal do processo.

Ainda nesta segunda-feira (23), Cármen Lúcia recebeu em seu gabinete o procurador-geral da República, Rodrigo Janot, a quem cabe solicitar urgência na apreciação das delações da Lava Jato. Durante o recesso do Judiciário, Cármen Lúcia pode autorizar atos emergenciais em processos que tramitam no STF.

LEIA MAIS: Cármen Lúcia diz que ainda não analisou como ficará andamento da Lava Jato

Há uma grande expectativa da sociedade e, principalmente, da classe política em relação às delações de executivos da Odebrecht, pois segundo informações vazadas anteriormente, dezenas de políticos em exercício são citados como envolvidos no megaesquema de corrupção da Petrobras.

Ministro para substituir Teori

O presidente Michel Temer ainda não iniciou as conversas com auxiliares e conselheiros sobre o nome que vai indicar para o Supremo Tribunal Federal (STF) como substituto de Teori Zavascki.

De acordo com assessores presidenciais, a intenção do presidente é indicar o novo quadro "o mais rápido possível", mas apenas depois que a ministra Cármen Lúcia decida a respeito do processo interno que será adotado para escolher o novo relator das ações da Operação Lava Jato na Corte.

LEIA MAIS: Com a morte de ministro do STF, Temer deve indicar novo relator para a Lava Jato

A tendência é que Temer aguarde uma decisão da presidente do STF , ministra Cármen Lúcia, sobre quem deve herdar os processos que estavam sob a responsabilidade de Teori. Ao todo, são mais de 7,5 mil processos. Ela pode optar por distribuir os casos para outros atuais integrantes da Suprema Corte ou determinar que o novo ministro nomeado pelo presidente da República assuma os processos. A compreensão de pessoas próximas a Temer é de que ele não quer dar a impressão de estar interferindo em outro Poder.

* Com informações da Agência Brasil.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.