Tamanho do texto

Reunião com Temer será às 12h no Palácio do Planalto; mais cedo, o ministro da Justiça deve se reunir com secretários de segurança pública estaduais

Michel Temer e Alexandre de Moraes têm agenda de reuniões para discutir ações para reforçar a segurança no País
Marcelo Camargo/Agência Brasil - 05.01.17
Michel Temer e Alexandre de Moraes têm agenda de reuniões para discutir ações para reforçar a segurança no País

Em meio à crise carcerária, que já causou a morte de mais de 100 presos em todo o País, o presidente da República Michel Temer (PMDB) se reúne nesta terça-feira (17) com representantes dos órgãos de inteligência do governo federal para tentar montar uma força-tarefa a fim de combater nacionalmente o crime organizado.

+ Cármen Lúcia se reúne com defensor para analisar liberação de presos no Amazonas

A reunião com Temer , que está marcada para o meio-dia no Palácio do Planalto deve contar com a presença da Polícia Federal (PF), da Agência Brasileira de Inteligência (Abin), das Forças Armadas, do Gabinete de Segurança Institucional, da Receita e do Conselho de Controle de Atividades Financeiras (Coaf).

Mais cedo, às 9h30, o ministro da Justiça, Alexandre de Moraes, vai se reunir com os secretários de segurança pública estaduais para receber sugestões e finalizar os detalhes do Plano Nacional de Segurança Pública.

Na próxima quarta-feira (18), Temer vai encontrar os governadores das 27 unidades da federação em um evento , quando pretende que eles assinem acordos de cooperação se comprometendo com o cumprimento do plano. A intenção do presidente é receber uma espécie de compromisso político dos governos estaduais para que se empenhem em uma solução para os problemas do sistema prisional brasileiro.

Meta para construção de presídios

Nas conversas que tem feito sobre o sistema prisional, Michel Temer sinalizou que estabelecerá uma meta para a construção dos cinco presídios federais anunciados por ele em sua primeira fala pública após o massacre no Complexo Prisional Anísio Jobim (Compaj), em Manaus, onde 56 presos morreram. O objetivo é determinar que as penitenciárias sejam construídas no prazo máximo de um ano.

A rebelião que ocorreu em Manaus no início do ano foi a maior carnificina em presídios brasileiros desde o massacre do Carandiru.

O investimento para a construção dos presídios vai contar, ao todo, com R$ 200 milhões. O plano é construir uma unidade em cada região brasileira. Na semana passada, o presidente anunciou que uma das penitenciárias será construída no Rio Grande do Sul.

+ Detentos mortos no Amazonas haviam feito denúncias sobre corrupção em prisão

Além de Moraes, Temer esteve reunido nesta segunda-feira com o ministro do Gabinete de Segurança Institucional, Sergio Etchegoyen, para discutir o assunto. Neste domingo (15), ele recebeu, no Palácio do Jaburu, o ex-presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), ministro Ayres Britto.