Tamanho do texto

Temer demorou dias para se pronunciar sobre massacre em Manaus; nesta sexta, presidente conversou para a governadora de Roraima por telefone

Michel Temer foi criticado por silêncio a respeito do massacre em Manaus; quando falou sobre o assunto, cometeu gafe
Beto Barata/PR - 24.10.16
Michel Temer foi criticado por silêncio a respeito do massacre em Manaus; quando falou sobre o assunto, cometeu gafe

O presidente Michel Temer (PDMB) telefonou, nesta sexta-feira (6), para a governadora de Roraima, Suely Campos (PP), lamentando o assassinato de mais de 30 presos na Penitenciária Agrícola de Monte Cristo (Pamc), a maior do estado . As mortes aconteceram durante a madrugada desta sexta.

A ligação de Temer para o governo de Roraima aconteceu poucas horas após a divulgação da chacina no presídio, que fica em Boa Vista. No telefonema, ele "se solidarizou com o povo do estado", diz nota divulgada pela sua assessoria.

A reação do presidente às mortes em Roraima contrasta com o comportamento do peemedebista após o massacre na penitenciária de Manaus, ocorrido no início da semana: o silêncio.

Embora a rebelião no Complexo Penitenciário Anísio Jobim (Compaj), na capital do Amazonas, tenha causado a morte de 56 presos, sendo a maior carnificina em presídios desde o massacre do Carandiru, o presidente demorou três dias para se pronunciar sobre o caso.

Nesta quinta-feira (5), quando finalmente falou sobre a matança, Temer chamou o episódio de "acidente pavoroso" , expressão que não foi bem vista pelo público em geral.

Percebendo a gafe, Temer chegou a publicar um post na sua página no Twitter, onde buscou explicar o que quis dizer com a palavra "acidente". "Sinônimos da palavra 'acidente': tragédia, perda, desastre, desgraça, fatalidade", escreveu o presidente.

Ajuda dispensada

O presidente aproveitou a ligação feita nesta sexta-feira para colocar a disposição do governo de Roraima todos os meios federais que possam auxiliá-lo am ações de segurança pública. No entanto, Suely dispensou a ajuda do governo federal.

"A governadora informou que a situação já se encontra sob controle e, neste momento, não será necessária a presença federal", afirma a nota, que diz que Suely chegou a agradeceu ao governo a "liberação de R$ 45 milhões do Fundo Penitenciário, na última semana de 2016, para a construção de nova unidade prisional e para compra de equipamentos e armamentos destinados à área de segurança de Roraima".

+ Rebelião que deixou 56 mortos em Manaus é destaque na imprensa internacional

Ainda segundo a assessoria do presidente da República, ficou acertado entre Suely e Temer que as autoridades estaduais vão manter contato com o Ministério da Justiça para "trocar informações sobre a evolução da situação de segurança em Boa Vista".