Tamanho do texto

Antes mesmo de ser empossado, Crivella já publicou diversas medidas na edição extra do Diário Oficial do Município do Rio de Janeiro deste domingo

Crivella também falou sobre o meio ambiente, afirmando ter compromisso com a nova visão da sustentabilidade
Prefeitura do Rio de Janeiro/Reprodução
Crivella também falou sobre o meio ambiente, afirmando ter compromisso com a nova visão da sustentabilidade

A cerimônia de posse dos 51 vereadores e do prefeito eleito no Rio de Janeiro, Marcelo Crivella (PRB), estava marcada para as 10h deste domingo (1º) , mas começou com atraso, por volta das 10h50. O novo governante da cidade deve assumir o cargo, oficialmente, às 13h, depois que houver a formação da Mesa Diretora, segundo a programação da solenidade.

Crivella chegou acompanhado da esposa e da filha ao Plenário pouco depois das 12h20, e foi cercado por vereadores e jornalistas. A cerimônia formal de posse do prefeito foi marcada, já no início, por uma gafe do presidente da Câmara, Jorge Felippe, que ao anunciar sua chegada, acabou o chamando por “vereador eleito”.

Durante o discurso de posse, o prefeito do Rio cumprimentou os vereadores empossados e as autoridades presentes. Como já era esperado, Crivella começou fazendo um “agradecimento a Deus” e “à família”, destacando o apoio da mãe, de 82 anos, e da esposa, além de filhos, nora e genro. Também fez cumprimentos aos “amigos evangélicos”.

Entre os destaques dados ao prefeito eleito durante o pronunciamento, a crise no estado do Rio -- e na cidade -- mereceu maior atenção. Ele afirmou que não espera ser "o prefeito das desilusões" e reafirmou a redução do número de secretarias, que passam a ser 12, também na queda de 50% dos cargos. 

"Nossa secretária de Fazenda vai cuidar de nossa Reforma Tributária e da capacidade contributiva. Enquanto esse trabalho não for cumprido, a ordem é a seguinte: é proibido gastar", disse. 

+ Prefeitos assumem com cenário de crise e dezenas não poderão tomar posse; veja

"Reconheço no lucro o prêmio da eficiência. Precisamos de revisão tributária. Precisamos de ambiente favorável ao investimento. PIB da cidade caiu (...) ao contrário de outras capitais do País. [Além disso], o emprego com carteira assinada despencou, segundo dados revelados nesta semana, [foram eliminados] 136.089 postos de trabalho em nossa cidade. Peço ao povo compreensão e paciência. O Estado do Rio está em crise e a cidade se encontra neste contexto. É momento de cautela", disse. 

"(...) Vamos ampliar as PPPs. Investir em startups, fazer projeto de viabilidade econômica e social", completou. 

Outros assuntos abordados pelo prefeito carioca foram a segurança da cidade, a saúde (e a pretensão da gestão em diminuir as filas dos hospitais, aumentando a qualidade do atendimento), além da promessa de investimento na educação da cidade -- com creches e escolas de período integral. Por fim, ele também destacou a importância da integração do transporte público municipal, do trem e metrô. 

O político do PRB terminou sua fala com um pedido para que todos os presentes e os demais cariocas doassem sangue. "Eu e minha família iremos amanhã, logo cedo, para a fila do hemocentro", prometeu.

Medidas decretadas neste domingo

Antes mesmo de ser empossado, Crivella já publicou diversas medidas na edição extra do Diário Oficial do Município do Rio de Janeiro deste domingo,  tais como o pedido de inclusão do metrô no Bilhete Único Carioca, determinando um plano de ação da Secretaria Municipal de Transportes. Ademais, houve suspenção do pedágio para motos na Linha Amarela.

Além disso, o prefeito do Rio requereu a implantação de um plano para a redução de filas nos leitos dos hospitais – medida, aliás, que é a primeira citada no documento. Nesse sentido, o novo prefeito determina um prazo de 30 dias para que a Secretaria Municipal de Saúde elabore um plano para o atendimento dos usuários do Sistema Único de Saúde (SUS), que poderá incluir a utilização dos serviços de unidades particulares.

Outra medida que vale destaque, anunciada no Diário Oficial, é a determinação da redução de custos com Cargos Comissionados nos Órgãos da Administração Direta do Poder Executivo Municipal, requerendo um plano de aumento de arrecadação com prazo de 90 dias, pela “necessidade de instituir redução das despesas com pessoal (...)” e a “previsão de aumento previsão de aumento de despesas com pessoal, com a previdência dos servidores e com obrigações relacionadas às dívidas do Município e consequente redução no valor disponível para o custeio de atividades e a realização de investimentos por parte do município”.

Outros decretos de Crivella anunciados já em seu primeiro dia no cargo se referem à segurança durante o verão de 2017, ao meio ambiente, pelas condições ambientais da Lagoa Rodrigo de Freitas e, também, ao carnaval de rua da cidade neste ano.