Investidores se unem para reaver dinheiro investido com 'Faraó dos Bitcoins'
Reprodução
Investidores se unem para reaver dinheiro investido com 'Faraó dos Bitcoins'

Ao completar três meses de prisão,  Glaidson Acácio dos Santos, o Faraó dos Bitcoins, enfrenta o abandono gradual dos clientes que exigiam a sua libertação. Após perceberem que o sonho de retomada das atividades da  GAS Consultoria Bitcoins está distante, pelo menos 1 mil investidores da empresa de Glaidson já se filiaram à Associação Nacional de Clientes de Empresas de Terceirização de Cripto (ANCCripto) com o objetivo de abrir um canal de negociação com as autoridades responsáveis pelo caso, priorizando a luta pelo ressarcimento em prejuízo à campanha pela liberdade do Faraó.

O primeiro passo foi a contratação do advogado alagoano Paulo Nicholas, conhecido em seu estado por defender vítimas do Caso Pinheiro, como ficou conhecido o colapso do solo de cinco bairros superpopulosos de Maceió, provocado pela mineração de salgema.

Ele disse que as indenizações negociadas com o grupo responsável pelo problema, a Braskem, começaram a ser pagas sem a necessidade de medidas judiciais. Com a GAS, cujo foco central é Cabo Frio, na Região dos Lagos, ele espera fazer o mesmo:

"Não queremos entrar na discussão se Glaidson operava ilegalmente ou não. Nosso empenho será pelos clientes, que estão sendo lesados até hoje. Uma ação judicial pode levar anos. O melhor caminho é a interlocução com as autoridades."

Preso desde 25 de agosto, Glaidson é apontado como responsável pela criação de uma pirâmide financeira, disfarçada de investimentos em bitcoins, em Cabo Frio, na Região dos Lagos fluminense. O esquema teria amealhado 67 mil clientes, com um volume de R$ 38 bilhões em operações financeiras de 2015 aos dias atuais.

Até o momento, as autoridades só conseguiram apreender cerca de R$ 200 milhões. Do restante, é sabido apenas que a venezuelana Mirelis Zerpa, mulher de Glaidson que está foragida, conseguiu sacar R$ 1 bilhão em bitcoins após a prisão do marido.

Investidores que participaram de atos de solidariedade ao Faraó em Cabo Frio e no Rio, especialmente na porta do Tribunal Regional Federal da 2ª Região, que negou um pedido de revogação de sua prisão preventiva, estão aderindo à associação.

Uma das prioridades é agendar audiência com representantes do Ministério Público Federal (MPF), já que uma das unidades do órgão, o Gaeco Federal RJ, foi o responsável pela denúncia contra Glaidson e outros envolvidos no esquema.

Leia Também

"O acordo busca o desbloqueio junto ao MPF, que é quem supervisionaria a devolução do capital aos clientes. A legitimidade do bloqueio de pedido das contas se fundamenta na proteção do interesse dos clientes. Todavia, se a grande massa de clientes de une em uma associação e solicita o desbloqueio, o pedido de bloqueio perde a legitimidade", argumenta Thiago Santos, funcionário público estudante de direito e filiado à ANCCripto.

Com “algumas centenas de milhares de reais” investidos na GAS, Thiago disse que o melhor negócio que pode fazer, agora, é desembolsar R$ 300 anuais para ingressar na entidade. Ele sustenta que as famílias das vítimas da queda do avião com a equipe da Chapecoense, em 2016, também seguiram o mesmo caminho:

"Uma ação deste tipo, normalmente, levaria cinco anos, enquanto um acordo neste modelo pode levar meses, porque se tornou um problema social no Estado do Rio, onde muitos perderam tudo o que tem. Por isso, concordei que esse seria o melhor caminho."

O movimento de ressarcimento conta com o apoio do presidente do Conselho Federal da OAB, Felipe Santa Cruz, que pediu audiências com o ministro da Justiça, Anderson Torres, com o procurador-geral da República, Augusto Aras, e com o presidente do Banco Central, Roberto Campos Neto, para discutir o assunto.

"Nesse momento, o mais urgente é socorrer os investidores, protegendo milhares de famílias e, em especial, uma região inteira do nosso estado que está perto do colapso. Estamos cobrando medidas concretas das autoridades competentes. Compreendo que é uma situação nova, mas exige celeridade na sua solução pelo tamanho do impacto social", declarou Santa Cruz.


Em outra direção, investidores optaram pelo caminho judicial para ter o dinheiro de volta. Levantamento no Tribunal de Justiça do Rio revela que, no momento, já foram ajuizadas 299 ações contra a GAS em varas cíveis e outras 53 em juizados especiais. De acordo com o advogado José Paes, que representa dezenas de clientes de Campos dos Goytacazes, em regra os juízes vêm deferindo o bloqueio das contas bancárias dos réus.

Nos processos, o escritório de Paes também pede expedição de ofício para a vara federal responsável pelos processos decorrentes da Operação Cryptos, que prendeu Glaidson, requerendo a reserva dos valores apreendidos e futuro repasse aos processos dos investidores. Em geral, segundo ele, esses pedidos também vêm sendo deferidos.

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários