PM agredindo esposa
Reprodução
Cabo Tarcísio Nunes foi solto duas semanas após espancar a mulher na frente da filha do casal

Em setembro do ano passado, o cabo Bruno Ribeiro de Abreu, do 32º BPM (Macaé), foi acusado de agarrar sua mulher, jogá-la na cama, aplicar uma gravata em seu pescoço e colocar uma arma de fogo em sua cabeça na residência do casal, em Rio das Ostras, Região dos Lagos. As agressões foram testemunhadas por uma amiga da mulher, com quem ela fazia uma chamada de vídeo. O policial era reincidente: quatro meses antes, a Justiça já havia determinado que ele se afastasse da companheira após uma agressão.

O caso não é isolado. O GLOBO analisou 20 acusações de violência contra a mulher envolvendo PMs desde o início de 2019. Em cinco delas, o agente era reincidente e descumpriu medidas protetivas. Em outros seis casos, há medidas atualmente em curso contra os agentes, que não podem se aproximar das mulheres. Sete policiais perderam o porte de arma por decisão da Justiça ou da corporação. Sete já são réus na Justiça e um até foi condenado. Todos, no entanto, seguem na corporação.

Para a PM , o cabo Bruno Abreu cometeu apenas uma “transgressão leve”. O processo administrativo aberto para avaliar a conduta dele resultou em repreensão — segunda punição mais branda possível na corporação. Atualmente, Abreu, mesmo réu na Justiça, segue fazendo patrulhamento normal nas ruas.

Num dos casos, uma câmera flagrou o PM espancando a mulher a poucos metros da filha de seis anos do casal. O cabo Tarcísio de Assis Nunes, do 22º BPM (Maré), foi filmado dando socos, chutes, chineladas e até um golpe de judô em sua companheira, em Belford Roxo. Ele ficou duas semanas preso pelo crime, mas a Justiça determinou sua soltura, após a mulher alegar que “não tinha receio em sua soltura”.

Essa, no entanto, não havia sido a primeira agressão: em 2015, Nunes ficou um mês preso por outro episódio de violência, mas — assim como no caso do cabo Abreu —, a PM considerou que o policial tinha condições de permanecer na corporação e somente o repreendeu. Agora, ele teve o porte de arma suspenso e foi submetido ao Conselho de Disciplina, um processo disciplinar que pode expulsá-lo da PM.

Caso arquivado: ‘Desamores da vida cotidiana’

Num dos casos, a PM alegou que um episódio de ameaça teria acontecido por “desamores e desavenças da vida cotidiana” e sequer puniu o policial. O soldado Rogério da Costa, da UPP Vila Cruzeiro, teria quebrado uma porta da casa do casal em meio a uma discussão e teria dito “você acha que está falando com quem? Eu arrebento a sua cara”, manuseando sua arma, segundo o registro de ocorrência. O caso foi arquivado e sequer consta na ficha do agente.

O caso mais recente é o do sargento Júlio César de Brito, que foi foi acusado de ameaçar a mulher ao chegar em casa alcoolizado no último dia 22. Segundo a vítima, o agente carregou uma arma na sua frente e perguntou: “Já pensou se eu estourar a sua cara?”. A Justiça proibiu o PM de se aproximar da vítima.

O único dos agentes preso é o sargento Daniel Deglmann, condenado a nove anos de prisão por ter mantido a sua ex-companheira trancafiada por 13 dias. Nesse período, ela foi espancada e dopada para não falar com seus parentes.

Questionada sobre os casos de violência contra as mulheres sem punição, a PM alegou que a “análise de possíveis desvios de conduta é pautada dentro da previsão legal’’.

    Veja Também

      Mostrar mais