Suspeito é conhecido como Neném
Divulgação
Suspeito é conhecido como Neném


Policiais da Delegacia de Repressão às Ações Criminosas Organizadas (Draco) prenderam, nesta sexta-feira (07) em Campo Grande, na Zona Oeste do Rio, Jonas da Silva Machado Junior, o Neném, acusado de fazer parte da milícia de Wellington da Silva Braga, o Ecko. Contra Jonas havia um mandado de prisão preventiva expedido pela Vara Criminal de Santa Cruz.


Na operação, foram apreendidos dois carros de lux o, uma BMW avaliada em mais de R$ 85 mil e uma Fiat Toro que custa cerca de R$ 72 mil. Segundo informações da polícia, os veículos pertencem a Jonas. As chaves dos carros estavam na casa do acusado.

Você viu?

Com Jonas, que tentou resistir à prisão, foi apreendida uma pistola Glock. Ele foi autuado em flagrante pelos crimes de porte ilegal de arma de fogo e resistência.

Segundo informações da Draco, Jonas era chefe de um grupo autointitulado GAT, uma imitação do Grupamento de Ações Táticas da Polícia Militar. O grupo dos paramilitares é responsável pelas guerras contra o tráfico na comunidade do Cesarão, em Campo Grande, e proteção armada do território. Jonas também é apontado como chefe da milícia em Sepetiba, também na Zona Oeste do Rio.

"O Jonas era o líder do grupamento de guerra da milícia, que eles copiam da Polícia Militar e também chamam de GAT. Eles (milicianos) usam até fardamento. Vamos continuar as investigações para apurar mais a fundo a participação de Jonas na organização criminosa", afirma o delegado Willian Pena Junior, titular da Draco.

Uma das informações que serão investigadas pela Draco é de que Jonas se encontrou recentemente com um vereador da Câmara municipal do Rio para arregimentar eleitores para o parlamentar na região comandada pela milícia.

Jonas já possui uma condenação na Justiça pelo crime de porte ilegal de arma de fogo de uso restrito.

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários