arma empuhada
Fotos públicas/reprodução
Imagem ilustrativa

O capitão da Polícia Militar Francisco Krischer foi preso na manhã deste sábado acusado de assassinar um homem e tentar matar outro em Petrópolis, na Região Serrana do Rio, em agosto de 2009. De acordo com as investigações da 105ª DP (Petrópolis), a intenção do PM era matar a vítima sobrevivente, Fernando Vacaldi, com quem teve um desentendimento meses antes do episódio.

Leia também: Trabalhadores da saúde são mais de 10% dos infectados com coronavírus na Espanha

Segundo as investigações, por volta das 20h30 do dia 06 de agosto de 2009, Vacaldi foi atacado a tiros quando chegava em casa, no bairro São Sebastião, em Petrópolis. Seu vizinho, Eugênio Moisés Lopes Filho, que estava na linha de tiro, também foi atingido. Após passar pouco mais de duas semanas no hospital, Eugênio morreu. Vacaldi, atingido na mão e nas costas, sobreviveu.

A polícia concluiu que o crime foi cometido por motivo fútil, após uma discussão que ocorreu na casa noturna na qual Vacaldi era segurança. O PM ficou contrariado por ter sido repreendido pela vítima sobrevivente após uma briga e a ameaçou de morte. Após sair da casa noturna, o policial aguardou o segurança do lado de fora, para se vingar. No entanto, Vacaldi conseguiu sair do local sem ser notado. Depois, foi até a casa do segurança para se vingar.

Leia também: Em meio ao coronavírus, bilhões ainda não têm acesso a água e sabão

O capitão da PM foi indiciado pelos crimes de homicídio qualificado (por motivo fútil) e tentativa de homicídio (também qualificado por motivo fútil). Procurada, a PM ainda não se manifestou.

    Veja Também

      Mostrar mais