Adriano da Nóbrega
Reprodução / Polícia Civil
Adriano Nóbrega morreu durante um confronto com a polícia no último domingo (9).

O capitão Adriano da Nóbrega , morto no último domingo (8) durante uma operação policial na Bahia, foi atingido por dois tiros no tórax. As informações são do laudo do Departamento de Polícia Técnica do estado. A análise também mostra que o miliciano , que era ligado ao senador Flávio Bolsonaro , teve lesões no pescoço e na clavícula causadas pelos disparos, além de ter sete costelas quebradas.

Apontado como chefe de uma milícia chamada Escritório do Crime , Nóbrega foi encontrado em um sítio na cidade de Esplanada, que fica em uma zona rural a 170 km de Salvador.

Leia também: Flávio Bolsonaro se manifesta sobre morte de miliciano e cobra elucidação

Ainda de acordo com o laudo necroscópico, os tiros atingiram o capitão de frente, sendo que um deles o atingiu de cima para baixo e outro no sentido contrário. Umas das balas atravessou o corpo e outra ficou alojada. Assim que foi retirada, a segunda foi encaminhada para um exame de balística.

A conclusão do laudo foi que Adriano morreu de anemia aguda e politraumatismo causado por "instrumento de ação perfuro-contundente", expresão utilizada para especificar que morte foi causada por arma de fogo.

Leia também: Justiça proíbe cremação do corpo do ex-capitão miliciano Adriano da Nóbrega

Nos escudos que  foram utilizados pelos policiais durante a operação, os peritos verificaram marcas de balas. Eles vão fazer novas análises para saber se os disparos foram feitos pelo miliciano morto. Segundo o relato dos oficiais, os equipamentos evitaram que eles fossem atingidos por dois tiros.

    Veja Também

      Mostrar mais