Suspeito Betim
Reprodução
Após ser preso, Moabe Edon Pinto Nogueira Souto disse que matou menina durante surto

Um crime bárbaro aconteceu na manhã desta quarta-feira (30) em Betim, região metropolitana de Belo Horizonte. Uma menina de apenas cinco anos foi esfaqueada por um homem no caminho para a escola, no bairro Vila Cristina, e acabou morrendo no local.

Leia também: "Não dá para derrubar o governo, mas perturba", diz Mourão sobre caso Marielle

Segundo informações da Polícia Militar, o suspeito, identificado como Moabe Edon Pinto Nogueira Souto, de 25 anos, seria esquizofrênico e estaria em um surto psicótico causado pelo consumo em excesso de crack ao matar a menina .

A vítima estava acompanhada do irmão e da babá no momento do ataque. Em entrevista ao jornal O Tempo, a mulher disse que tentou defender as crianças e pediu ao menino que fugisse e se escondesse do agressor, mas que não conseguiu salvar a menina: "ele só dava facada e risada".

Ainda de acordo com a publicação, os agentes precisaram escoltar o homem até a UPA Teresópolis para evitar que ele fosse linchado por alguns populares que presenciaram o crime

Os PMs revelaram que, ao ser preso, Moabe disse ter ouvido vozes ordenando que "matasse uma criança hoje" e que cometeu o assassinato a mando de uma entidade. Por fim, ainda afirmou que a ação seria um "pacto com o diabo" e que passou a noite usando drogas .

Após a confirmação da morte, a Prefeitura de Betim decretou luto oficial e suspendeu as aulas no Centro Infantil Municipal Silvina Júlia de Carvalho, onde a vítima estudava. Já o Colégio Neuza Dutra, que fica próximo ao local do crime, divulgou nota lamentando o ocorrido e prestando condolências aos familiares.

"O Colégio Neuza Dutra lamenta profundamente a fatalidade ocorrida em suas proximidades na manhã desta Quarta Feira, 30 de Outubro de 2019. Informamos que este fato não possui nenhuma ligação com o Colégio e que a vítima não é estudante do Neuza Dutra, à família dos envolvidos prestamos nossas condolências neste momento difícil", informa a nota.

Leia também: Polícia Civil rebate Bolsonaro e diz que Witzel 'não interfere' no caso Marielle

"Reforçamos ainda que, o Colégio Neuza Dutra possui uma estrutura de segurança completamente adequada, além de monitoramento por câmeras 24h por dia. Queremos ainda tranquilizar a todos, informando que os nossos estudantes, professores e colaboradores se encontram bem e as aulas estão se transcorrendo normalmente", finaliza o texto.


    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários