Padre Sergiy fala com jornalistas fora do mosteiro Sredneuralsk em junho
Vladimir Podoksyonov/Divulgação
Padre Sergiy fala com jornalistas fora do mosteiro Sredneuralsk em junho


A tropa de choque da polícia  russa invadiu um mosteiro para deter um monge rebelde , que chamou o presidente do país, Vladimir Putin, e a liderança da Igreja Ortodoxa Russa de traidores, além de negar a existência do novo coronavírus. Os agentes entraram em confronto com os apoiadores do padre no mosteiro Sredneuralsk.

O monge, padre Sergiy, foi rapidamente levado de avião para Moscou. As autoridades o acusaram de incitar ações suicidas por meio de sermões em que exortava os fiéis a "morrerem pela Rússia". Ele negou as acusações .

Quando o vírus chegou à Rússia no início deste ano, o monge de 65 anos negou sua existência e denunciou os esforços do governo para conter a pandemia como o "acampamento eletrônico de Satanás". Ele descreveu as vacinas que estão sendo desenvolvidas contra a Covid-19 como parte de um plano global para controlar as massas por meio de chips.

Você viu?

O monge, que pediu aos seguidores que desobedecessem às medidas de bloqueio do governo, se escondeu no mosteiro perto de Ekaterinburg que ele fundou anos atrás. Dezenas de voluntários corpulentos, incluindo veteranos do conflito separatista no leste da Ucrânia, ajudaram a fazer cumprir suas regras, enquanto a prioresa e várias freiras iam embora.

O monge também chamou o presidente russo, Vladimir Putin, de "traidor da pátria" que estava servindo a um "governo mundial  satânico ". Ele também denunciou o chefe da Igreja Ortodoxa Russa, Patriarca Kirill, e outros clérigos importantes como "hereges" que devem ser "expulsos".

A Igreja Ortodoxa Russa retirou o padre Sergiy de seu posto de abade por quebrar as regras monásticas em julho, mas ele rejeitou a decisão e ignorou a intimação dos investigadores da polícia. Enfrentando forte resistência de centenas de seus apoiadores, oficiais da igreja e autoridades locais pareceram relutantes em despejá-lo por meses.


    Leia tudo sobre:

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários