elefante
Pixabay
Caçadores de elefantes plantaram um abacaxi com explosivos na cela de uma elefante grávida


Funcionários do governo indiano responsáveis por gerir e preservar a vida selvagem lamentaram a morte de uma elefante grávida, que foi brutalmente assassinada por criminosos. Um grupo invadiu a jaula da animal e implantou um abacaxi recheado com explosivos .

O crime aconteceu em Kerala, na Índia, mais especificamente em um vale remoto em Attapadi, floresta do sul do país. Investigações apontam que a elefante de 15 anos entrou em um vilarejo no mês passado à procura de comida.

Autoridades acreditam que os criminosos estavam praticando caça de elefantes . A elefante teve a boca explodida ao morder a fruta. A elefante morreu oficialmente no distrito de Malappuram enquanto um dos oficiais, Mohan Krishnan, tentava socorre-lá.

Leia também: Cobra e lagarto travam combate mortal na África do Sul; veja o vídeo

O oficial narrou ao jornal local que encontrou ela na beira de um lago com a tromba na água para minimizar a dor do ferimento e "com a sensação de que ela sabia que iria morrer". Os agentes florestais só descobriram que el estava grávida após a autópsia.

A identidade dos criminosos responsáveis pela morte do animale permanece desconhecida, mas as autoridades pedem pela identificação e punição pelo crime de caça de elefantes.

Leia também: Criança fica pendurada em elevador na China, veja vídeo

O departamento florestal de Kerala emitiu um comunicado para a população, pelo Twitter, depois do atentado contra o animal. As autoridades reiteraram um dos artigos da Constituição da Índia que determina que os cidadãos sejam gentis com os animais.

"O artigo 51-A (g) da Constituição indiana diz que deve ser dever de todo cidadão indiano ter compaixão pelos seres vivos ", twittaram na terça-feira.

    Veja Também

      Mostrar mais