Testagem de covid-19
Redação - BBC News Mundo
Testagem de covid-19

A cidade chinesa de Xangai não registou no último sábado (25) nenhuma nova infeção por covid-19 pela primeira vez desde março, quando eclodiu um forte surto ligado à variante Ômicron que levou a um longo e severo confinamento da sua população.

"Não houve novos casos domésticos confirmados de covid-19 e nenhuma nova infecção assintomática em Xangai em 24 de junho de 2022", disse o governo da cidade de 25 milhões de pessoas em um comunicado.


Em março, as infecções começaram a se multiplicar na capital econômica do país, que acabou decretando um confinamento severo por dois meses. O bloqueio, criticado pela população que luta para obter alimentos e cuidados médicos, foi suspenso praticamente no início de junho, embora o retorno à normalidade tenha sido dificultado pelo restabelecimento das restrições em alguns distritos.

Há duas semanas, milhões de pessoas foram novamente confinadas temporariamente quando o governo municipal lançou uma campanha de testes em massa em algumas áreas. Enquanto isso, a capital Pequim fechou escolas e escritórios por semanas devido a outro surto que as autoridades dizem ter sido contido na semana passada.

A secretaria municipal de educação indicou no sábado que todos os alunos do ensino fundamental e médio poderão voltar às aulas a partir de segunda-feira, embora professores, alunos e pais devam primeiro passar por um teste de PCR. A capital registrou apenas duas novas infecções no sábado.

Por seu lado, Shenzhen, uma grande cidade industrial do sul do país, anunciou neste sábado que vai encerrar durante três dias os mercados, cinemas e ginásios de um distrito que faz fronteira com Hong Kong, depois de detectar nessa localidade casos de covid -19.

A China é uma das maiores economias do mundo que continua a aplicar a chamada estratégia de "Covid zero" para erradicar o vírus com base em restrições a viagens internacionais, quarentenas, testes em massa e confinamentos severos.

As autoridades insistem que essa política é necessária para evitar um colapso do sistema de saúde devido à distribuição desigual de recursos médicos e as baixas taxas de vacinação dos idosos.


    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários