.
Stéphane de Sakutin/AFP/Divulgação
Olivier Duhamel em maio de 2016. O cientista político francês pediu demissão da Fondation Nationale des Sciences Politiques e excluiu sua conta no Twitter


Olivier Duhamel, um dos mais renomados cientistas políticos e comentaristas da mídia da França, se demitiu de suas funções depois de ser acusado de abusar sexualmente de sua enteado.

A enteada de Duhamel - gêmea da suposta vítima - diz que o abuso aconteceu na década de 1980, quando ela e seu irmão tinham 14 anos e eram bem conhecidos de muitos membros da família e amigos.

Camille Kouchner revelou o suposto abuso , que ela disse ser um "código de silêncio" entre os membros da política e da mídia parisiense, em seu livro, "la Familia grande", que deve ser publicado nesta quinta-feira (07).

Duhamel, 70, pediu demissão de seu emprego na Fondation Nationale des Sciences Politiques e excluiu sua conta no Twitter, mas não fez comentários sobre as acusações.

Camille e seu irmão gêmeo são filhos de Bernard Kouchner, ex-ministro da Saúde e Relações Exteriores e fundador da ONG Médecins Sans Frontières, e de Evelyne Pisier, historiadora e escritora, falecida em 2017.

Bernard Kouchner e Pisier tiveram três filhos, Julien e Camille e seu irmão gêmeo, antes de se separarem em 1980. Posteriormente, Pisier teve um caso de quatro anos com o líder cubano Fidel Castro antes de se casar com Duhamel.

No livro, Camille Kouchner dá a seu irmão gêmeo o nome de "Victor". Ela escreve que o abuso continuou por pelo menos dois anos e que Pisier foi informada, mas preferiu proteger seu marido, assim como amigos da família, para "evitar um escândalo".

Ela conta que o irmão implorou que guardasse o segredo, dizendo-lhe: "Se você falar, eu morrerei. Estou muito envergonhado. Eu tinha 14 anos e deixei acontecer. Eu tinha 14 anos e sabia e não disse nada", escreve Kouchner, 45. 

Ela acrescenta que o "incesto" - conforme tem sido descrito na mídia francesa - aconteceu mais de uma vez e foi um segredo aberto entre amigos e familiares, que foram convidados a não dizer nada.

"Meu livro relata quantas pessoas sabiam", disse ela ao site L'Obs do Le Nouvel Observateur. "Claro que pensei que minha vida poderia ser considerada ofensiva porque minha família é tão conhecida, então disse a mim mesmo, é exatamente por isso que tenho que fazer isso."

Ela acrescentou: "Decidi escrever porque não conseguia mais ficar quieta. Este livro nasce de uma necessidade: testemunhar o incesto, mostrar que durou anos e que é muito, muito difícil quebrar o silêncio. Não o escrevi em nome do meu irmão, mas sim pelas irmãs, pelas sobrinhas, por todas as vítimas de incesto. O código de silêncio em uma família pesa em todos."

A situação, porém, não levará a uma ação legal, pois as acusações já prescreveram .

A suposta vítima do abuso ainda não comentou publicamente o caso.


    Veja Também

    Mais Recentes

      Mostrar mais

      Comentários