.
Étienne Laurent/Divulgação
Pessoas usando máscaras cruzam a ponte sobre a rodovia na fronteira EUA-México em San Diego, Califórnia


Imigrantes mais vulneráveis ​​da Califórnia enfrentaram desafios sem precedentes neste ano, com alguns avaliando se vale a pena ficar nos Estados Unidos.

Dez meses de uma pandemia de Covid-19 que devastou algumas das indústrias que dependem da mão-de-obra estrangeira, combinados com anos de políticas anti-imigrantes da administração de Donald Trump, exacerbaram a insegurança para pessoas sem documentos e aquelas que trabalham em empregos de baixa remuneração.

Para os imigrantes na base da pirâmide econômica, nunca foi fácil viver nos Estados Unidos, afirma Luz Gallegos, diretora-executiva do grupo de defesa de imigrantes Centro Legal de Capacitação para Comunidades Educativas de Desenvolvimento Ocupacional (Todec) em entrevista ao The Guardian.

"Mas a Califórnia também sempre foi um lugar onde minha família - meus pais e avós - acreditavam que poderiam construir uma vida melhor", diz Gallegos, que nasceu em uma família de ativistas e organizadores imigrantes. "Sempre foi um lugar com potencial."

Até este ano. "Tem havido muito medo e trauma - apenas camadas de trauma."

Trabalhadores em mega fazendas e enormes armazéns em todo o Inland Empire e no Central Valley da Califórnia - muitos dos quais continuaram a trabalhar durante os períodos mais graves da pandemia, apesar dos surtos de coronavírus em muitas instalações - têm vindo a Gallegos para obter conselhos sobre o que fazer quando eles ficam doentes.

Javier Lua Figureo voltou para sua cidade natal em Michoacán, México , há três anos, depois de morar e trabalhar na Califórnia por 12 anos. Desde que a pandemia chegou, vários de seus amigos e familiares seguiram seu exemplo.

"As coisas não estão perfeitas no México. Mas pelo menos há acesso a cuidados de saúde e alguns benefícios de desemprego para quem precisa", acrescentou. "Em comparação com o que era nos EUA, a situação para nós no México agora é muito melhor."

Os imigrantes são mais propensos a trabalhar na linha de frente da pandemia, como trabalhadores da saúde, balconistas de mercearias, motoristas de entregas e agricultores, onde as chances de contrair o vírus são especialmente altas. Um terço de todos os médicos são imigrantes, assim como pelo menos metade dos trabalhadores agrícolas do país. Estima-se que 75% dos trabalhadores rurais na Califórnia não tenham sequer documentos.

Mesmo antes de o governo Trump implementar suas políticas anti-imigrantes, e mesmo antes de a pandemia atingir, os não-cidadãos tinham menos acesso a saúde e seguro saúde, bem como programas de rede de segurança como vale-refeição e desemprego. Em maio e junho, os imigrantes sem documentos não eram elegíveis para receber cheques de estímulo do governo federal.

Um fundo de US$ 125 milhões para enviar uma doação única em dinheiro de US$ 500 oferecida a trabalhadores sem status legal secou rapidamente e foi uma gota no oceano. O governador do estado, Gavin Newsom, vetou um projeto de lei que teria fornecido aos imigrantes de baixa renda US$ 600 para mantimentos.

Não há dados abrangentes sobre quantos imigrantes decidiram voltar para seus países de origem.


    Leia tudo sobre:

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários