Um foguete não detonado que sobrou do cerco fracassado de Trípoli, que durou 14 meses
Anadolu Agency
Um foguete não detonado que sobrou do cerco fracassado de Trípoli, que durou 14 meses


A Organização das Nações Unidas (ONU) tentará reiniciar seu esforço em direção à unidade nacional na Líbia. Os objetivo são trazer monitores para supervisionar um cessar-fogo amplamente desrespeitado e forçar a liderança política do país dividida a encontrar um mecanismo para eleger um primeiro-ministro.

Funcionários da ONU disseram que a Líbia está travando uma corrida contra o tempo para fazer progressos tangíveis rumo à formação de um governo de unidade nacional e evitar o possível colapso de um cessar-fogo de três meses.

Em carta aos países membros, o secretário-geral da ONU, António Guterres, pediu que os blocos regionais indiquem monitores para fiscalizar o cessar-fogo e um embargo de armas da ONU que tem sido desprezado, principalmente pela Turquia e Emirados Árabes Unidos.

Seria a primeira vez que a ONU tomaria medidas ativas no terreno para impor o cessar-fogo, além de relatórios detalhando como o embargo de armas está sendo violado.

Você viu?

A medida ocorre em um momento crítico desde o cessar-fogo, que foi acordado com as partes beligerantes em 23 de outubro em Genebra, também inclui disposições para que todas as tropas estrangeiras deixem a Líbia em três meses. Não há sinal de que isso esteja acontecendo.

A enviada especial em exercício da ONU, Stephanie Williams, disse que há 20 mil soldados estrangeiros ou mercenários no país.

A Líbia tem sido assolada por divisões internas há quase uma década. O país está dividido entre o Governo de Acordo Nacional (GNA), reconhecido pela ONU, que tem sede na capital, Trípoli, e é apoiado pela Turquia, e o Exército Nacional da Líbia (LNA), que tem base no leste e é apoiado em vários graus pelo Egito, Emirados Árabes Unidos, Rússia e França. 

Nos últimos três meses, a chance de uma reconciliação nacional floresceu, em parte porque o mentor do cerco fracassado do LNA a Trípoli, General Khalifa Haftar, perdeu influência externa e prestígio internamente, permitindo que vozes mais pragmáticas fossem ouvidas. A exaustão com a guerra também contribuiu.


    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários