Conselheiro sênior de política Stephen Miller, secretário de imprensa da Casa Branca Kayleigh McEnany e chefe de gabinete da Casa Branca Mark Meadows em 20 de outubro
Tasos Katopodis/Divulgação
Conselheiro sênior de política Stephen Miller, secretário de imprensa da Casa Branca Kayleigh McEnany e chefe de gabinete da Casa Branca Mark Meadows em 20 de outubro


Horas depois da Casa Branca confirmar que os membros do governo do presidente Donald Trump estariam entre os primeiros a receber as vacinas contra a Covid-19 , ele tuitou que pediria que eles fossem vacinados "um pouco mais tarde".


No domingo (13), a Casa Branca disse que membros do alto escalão - que administraram diretamente a pandemia do novo coronavírus , levando a quase 300 mil mortes de americanos e que constantemente minimizaram a gravidade do vírus, recusando-se a usar máscaras e desafiando especialistas em saúde pública - estarão entre os primeiros a receber as doses.

A Casa Branca, no entanto, não forneceu detalhes sobre quantos membros da equipe receberiam as doses e quando. "Altos funcionários de todos os três ramos do governo receberão vacinas de acordo com a continuidade dos protocolos governamentais estabelecidos na política executiva", disse John Ullyot, vice-assistente do presidente e porta-voz do Conselho de Segurança Nacional, em comunicado.

"O povo americano deve ter confiança de que está recebendo a mesma vacina segura e eficaz que os oficiais do governo dos Estados Unidos, a conselho de profissionais de saúde pública e liderança de segurança nacional."

Você viu?

As primeiras remessas da vacina da Pfizer começaram na manhã de domingo e devem ser enviadas para todos os 50 estados nesta segunda-feira (14). Os profissionais da saúde - que estão nas linhas de frente de combate à doença - e residentes de lares de idosos foram considerados a maior prioridade para receber as vacinas.

Posicionamento polêmico

Trump e seus assessores freqüentemente mantiveram uma atitude arrogante em relação ao novo coronavírus - mesmo depois que o presidente, a primeira-dama e seu filho Barron Trump foram infectados. 

Vários funcionários do governo também testaram positivo para a doença em casos decorrentes de pelo menos dois eventos na Casa Branca, onde muitos participantes desrespeitaram as orientações sobre o uso de máscaras e o distanciamento social.

Os principais assessores de Trump, incluindo o chefe de gabinete da Casa Branca, Mark Meadows, também descartam rotineiramente as restrições.

Antes da eleição, Trump realizou vários comícios de campanha com multidões lotadas, onde muitas pessoas estavam sem máscara. Em um deles, ele zombou de seus oponentes políticos por usarem máscaras para evitar a disseminação da doença.

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários