.
Tiksa Negeri/Divulgação
Membros das milícias Amhara enfrentam a Frente de Libertação do Povo Tigray em Sanja


Milhares de refugiadosque fogem dos combates na região de Tigray, no norte da Etiópia - cruzaram para o vizinho Sudão, à medida que aumentam os temores de que o conflito entre forças nacionais e provinciais possa causar uma grave crise humanitária .


Estima-se que 8 mil etíopes já tenham cruzado a fronteira nos últimos dois dias, e as autoridades humanitárias dizem que outras centenas de milhares provavelmente deixarão suas casas se o combate, agora entrando em sua segunda semana, não terminar.

Oficiais da fronteira sudanesa descreveram crianças famintas e cansadas , bem como vítimas do conflito, chegando ao Sudão após uma jornada difícil. "Mais e mais pessoas, incluindo feridos nas operações de lá, ainda estão chegando. Os números estão aumentando rapidamente. Há muitas crianças e mulheres", disse Khalid Al-Sir, chefe da agência governamental para refugiados no estado de Kassala, no leste do Sudão.

"Eles estão chegando muito cansados ​​e exaustos, com fome e sede, porque caminharam longas distâncias em terreno acidentado." As autoridades locais já informaram que estão ficando sobrecarregadas .

O primeiro-ministro da Etiópia, Abiy Ahmed, lançou operações militares em Tigray na semana passada, depois de acusar as autoridades locais de atacar um acampamento militar na região e tentar saquear bens militares. A Frente de Libertação do Povo Tigray (TPLF), que está no poder na província, nega o ataque e acusou o primeiro-ministro de inventar a história para justificar o desdobramento da ofensiva.


    Veja Também

    Mais Recentes

      Mostrar mais

      Comentários