.
Riccardo Antimiani/EPA
Um manifestante em Roma carrega um cartaz onde se lê "só o amor pode destruir a homofobia"


Ativistas na Itália estão se movimentando para pedir a aprovação de  um projeto de lei que tornaria a violência contra pessoas LGBTQI+ e deficientes , assim como a misoginia, em um crime de ódio.


O projeto, que foi aprovado com sucesso apesar de meses de protestos de grupos de extrema direita e católicos, agora precisa passar pela Câmara dos Deputados, onde é apoiado pelos partidos da coalizão governista, antes de se tornar lei.

"Se conseguirmos aprovar definitivamente essa lei, a Itália finalmente será um país que aceita os direitos LGBTQI+, porque, neste momento, estamos entre os últimos países da Europa com essa aceitação social", disse Alessandro Zan, político do Partido Democrata que elaborou o texti. "Além disso, ela também criminaliza o ódio contra pessoas com deficiência e a misoginia, por isso é uma lei muito avançada ."

Zan espera que a lei, que levaria as pessoas condenadas por tais crimes à prisão por até quatro anos , seja aplicada nos próximos meses. A proposta seria uma extensão de uma lei existente que pune racismo e discriminação, por exemplo.

A aprovação do projeto na Câmara dos Deputados ocorre após uma série de ataques contra gays e transgêneros . Em setembro, Maria Paola Gaglione, 22, foi morta depois que seu irmão bateu com o veículo na scooter em que ela estava com seu parceiro transgênero, Ciro Migliore, em Nápoles. O irmão, que foi acusado de homicídio culposo , disse aos investigadores que não pretendia matar sua irmã, mas sim "ensinar-lhe uma lição" sobre o relacionamento.

No final de junho, um homem de 25 anos foi brutalmente atacado por uma gangue de sete pessoas enquanto caminhava de mãos dadas com seu namorado, na cidade de Pescara.

    Veja Também

      Mostrar mais