.
Omar Marques/Getty Images
Um protesto contra a restrição ao aborto em Cracóvia, Polônia, na quarta-feira


O Tribunal Constitucional na Polônia decidiu, nesta quinta-feira (22), que o aborto por anomalias fetais - que representam cerca de 98% de todos os casos -  viola a Constituição , efetivamente impondo uma proibição quase total da prática.


O efeito será endurecer ainda mais a lei de aborto da Polônia - já a mais rígida na União Europeia, exceto a de Malta - deixando as mulheres com direito a interrupções legais apenas se a gravidez ameaçar sua vida ou saúde, ou se resultar de um ato ilegal como o estupro ou incesto.

A decisão de hoje já gerou protestos. No entanto, devido às restrições do novo coronavírus introduzidas recentemente, limitando as reuniões públicas a 10 pessoas, as mulheres manifestaram-se rotativamente fora do Tribunal Constitucional.

    Veja Também

      Mostrar mais