nasa
 NASA’s Goddard Space Flight Center/Reprodução
A descoberta é intrigante porque, no processo de formação de uma anã branca, planetas próximos deveriam ser destruídos – e ninguém sabe como esse sobreviveu


O objeto do tamanho de Júpiter, conhecido como WD 1856 b , é um corpo celestial especial e um grande quebra-cabeça em virtude de ser, provavelmente, o primeiro planeta a ter sobrevivido à morte da sua estrela e estar orbitando uma anã branca. A descoberta foi possível graças ao Transiting Exoplanet Survey Satellite (TESS) da NASA e ao, agora aposentado, Spitzer Space Telescope.


Conforme relatado na revista científica Nature, WD 1856 b orbita apenas a 3,05 milhões de quilômetros de uma anã branca, o destino de estrelas semelhantes ao Sol . Uma vez que seu combustível é gasto e se expande em gigantes vermelhos, seu núcleo entra em colapso.

Isso não é suficiente para causar uma supernova , mas se comprime em um objeto degenerado denso conhecido como anã branca. Aquela próxima ao WD 1856 b tem metade da massa do Sol, mas em um corpo não muito maior que a Terra.

"O WD 1856 b, de alguma forma, chegou muito perto de sua anã branca e conseguiu se manter inteiro ", disse o autor principal Professor Andrew Vanderburg, da Universidade de Wisconsin-Madison, nos EUA, em um comunicado. "O processo de criação da anã branca destrói os planetas próximos, e qualquer coisa que depois chegue muito perto geralmente é dilacerada pela imensa gravidade da estrela. Ainda temos muitas perguntas sobre como o WD 1856 b chegou à sua localização atual sem encontrar um desses destinos."

Os dias finais de uma anã branca permitem vários cenários em que um planeta pode migrar em direção à estrela. É possível que o caminho de WD 1856 b tenha sido influenciado por outros objetos no sistema, empurrando o planeta para muito mais perto da estrela degenerada, enquanto a intensa atração da anã branca ajudou a estabilizar sua órbita ao longo do tempo. 

Outras possibilidades incluem a influência gravitacional de duas anãs vermelhas no sistema ou uma estrela passando perto na hora certa e empurrando o planeta para frente. Até agora, o modelo com planetas extras é o mais provável.

"Há muito tempo que sabemos que, após o nascimento das anãs branca s, pequenos objetos distantes, como asteróides e cometas, podem se espalhar para dentro em direção a essas estrelas. Eles geralmente são separados pela forte gravidade de uma anã branca e se transformam em um disco de detritos", explicou o co-autor do estudo, Siyi Xu, astrônomo assistente do Observatório Internacional Gemini. 

"É por isso que fiquei tão animado quando Andrew me contou sobre este sistema. Vimos indícios de que os planetas podem se espalhar para dentro também, mas esta parece ser a primeira vez que vimos um planeta que fez toda a jornada intacto ", acrescentou.

WD 1856 b só é considerado um "provável" planeta, porque está na faixa entre o planeta mais pesado e a anã marrom mais clara, outro tipo de objeto estelar. A análise de Spitzer aponta fortemente para "planeta", mas não é 100% certa . Mais observações são necessárias para se confirmar isso.

Ele está localizado a 80 anos-luz da Terra , na constelação de Draco, ao norte do Sistema Solar.

    Veja Também

      Mostrar mais