trump
Getty Images
Emin Agalarov, Aras Agalarov e Donald Trump chegam para a final do concurso de beleza Miss Universo 2013 em Moscou, na Rússia


Um novo relatório do Comitê de Inteligência do Senado dos Estados Unidos oferece um retrato contundente das pessoas que Donald Trump escolheu como seus parceiros para potenciais negócios  na Rússia. Eles incluem indivíduos com supostas conexões com a máfia , com Vladimir Putin e com o tráfico humano .


O grupo compreenderia uma lista extraordinária de associados para qualquer empresário internacional, quanto mais para o presidente em exercício dos Estados Unidos.

Os representantes da Trump Organization não responderam aos pedidos de comentários. Em 2016, o advogado da Trump Organization, Alan Garten, insistiu que a empresa conduzia uma sindicância completa  sobre seus parceiros externos. "Fazemos uma ampla verificação de todos com quem fazemos negócios", disse ele à Forbes na época.

"Fazemos verificações de antecedentes em nível internacional e em nível local. Nós verificamos todos os bancos de dados disponíveis comumente usados. Usamos especialistas externos especializados nesta área. E isso além de analisar o negócio em si. Tão extensa verificação continua."

Não é o que parece . Aqui estão os detalhes sobre as pessoas que conectam Trump à Rússia.

Felix Sater

Trump há muito tempo recebe críticas por sua ligação com Felix Sater, diretor administrativo de uma empresa chamada Bayrock Group, que trabalhou com o  presidente em projetos em Nova York, Flórida e Arizona.

Em 1995, Sater terminou um período de 15 meses na prisão por agressão . Três anos depois, ele se confessou culpado de extorsão como parte de um esquema de bombeamento e despejo de ações da máfia .

O relatório descreve o tipo de fontes que Sater manteve por perto . "Sater começou a usar sua rede existente, principalmente na Rússia, para estabelecer contatos, incluindo oficiais de inteligência, operacionais militares e pessoal em instalações de pesquisa militar em vários países", afirma o documento. "Sater explicou que estava em contato com 'principalmente os caras do GRU [Diretoria Principal de Inteligência da Rússia].'"

O relatório também oferece detalhes adicionais sobre a natureza do relacionamento de Trump com Sater, que eventualmente tinha um cartão de visita da Trump Organization e um acordo de que receberia uma parte dos rendimentos de certos negócios . "Durante esse tempo, Trump via Sater todos os dias, geralmente mais de uma vez."

Tevfik Arif

Em 2007, o New York Times publicou uma história sobre o passado de Sater e Trump se distanciou imediatamente . "Fazemos o máximo de verificação de antecedentes que podemos sobre os principais", disse Trump na época. "Eu realmente não o conhecia muito bem."

Em um depoimento tomado dias após a publicação do artigo, Trump afirmou que havia trabalhado principalmente com um homem que identificou como o proprietário de Bayrock, Tevfik Arif. "Aquele com quem lidei foi o Sr. Arif”, disse Trump, explicando que Arif estava trabalhando com ele em novas oportunidades de negócios na Turquia, Polônia, Ucrânia e, claro, na Rússia. "Sr. Arif tinha os contatos", disse Trump. "Ele tinha conexões internacionais ."

Mas Arif também veio com sua própria bagagem que, ao contrário da de Sater, ainda não havia causado muita comoção. O Comitê de Inteligência do Senado dos Estados Unidos apresentou uma série de acusações contra Arif.

"As informações obtidas pelo comitê sugerem que ele estava envolvido no crime organizado russo, lavagem de dinheiro e tráfico de pessoas desde, pelo menos, 2000." Uma porta-voz de Arif disse que não poderia comentar o caso.


    Veja Também

      Mostrar mais