Rafik, à esquerda, fotografado deixando o parlamento em Beirute em 2005, minutos antes de ser morto
Getty Images
Rafik, à esquerda, fotografado deixando o parlamento em Beirute em 2005, minutos antes de ser morto


Um membro sênior do grupo militante Hezbollah foi condenado por ajudar a orquestrar o assassinato do ex-primeiro-ministro Rafik al-Hariri em 2005, após um julgamento internacional de cinco anos em Haia.


Os juízes inocentaram dois outros membros da organização por falta de provas de ligação com a liderança do Hezbollah. Os veredictos foram recebidos com surpresa em Beirute, onde apoiadores do Hezbollah esperavam que os três  fossem condenados .

Opositores do grupo condenaram o resultado como uma "enorme decepção" e alegaram que o tribunal especial financiado pela Organização das Nações Unidas (ONU) para o Líbano não conseguiu chegar ao fundo de uma trama que, até a explosão catastrófica em 4 de agosto, tinha sido o maior e mais importante evento a abalar o país desde que seu estado moderno foi fundado em 1943.

O tribunal concluiu que Salim Ayyash liderou a operação para matar Hariri com um carro-bomba gigante no cais de Beirute. Ele disse que não havia evidências suficientes para vincular Hussein Oneissi e Assad Sabra a uma acusação de entregar uma falsa alegação de responsabilidade a uma emissora.

Outra figura do Hezbollah, o ex-comandante militar do grupo Mustafa Badreddine, que foi morto na Síria em maio de 2016, foi inicialmente acusado de ser o elo com Ayyash, que foi considerado o líder da célula no dia em que Hariri foi morto. A dupla foi conectada por dados de telefone celular reunidos por um ex-oficial de inteligência, Wissam Eid, que também foi morto por um carro-bomba em 2008 ao sair de seu escritório.

"Não se pode verificar se o Sr. Badreddine estava no auge da conspiração para cometer um ato terrorista para assassinar o Sr. Hariri", disse o tribunal, descobrindo que inúmeras ligações ocorreram entre os dois antes do assassinato.

Você viu?

O caos e o vácuo que se seguiram à morte de Hariri estabeleceram as bases para os próximos 15 anos turbulentos, durante os quais um país enfraquecido definhou sob o peso da decadência política, clientelismo e hegemonia.

Uma guerra com Israel em 2006 foi outro golpe, assim como um conflito na Síria a partir de 2011, depois revolução, estagnação social, implosão econômica e uma ordem regional em desintegração, que podem ser parcialmente atribuídas à morte violenta do homem creditado por muitos por levando uma trilha - embora instável - da ruína da guerra civil .

Ao longo desse período, a influência do Hezbollah no país cresceu e até uma dezena de políticos e jornalistas contrários ao grupo e à influência da Síria foram assassinados em carros-bomba ou tiroteios. Ayyash, supostamente um membro proeminente do grupo, foi indiciado em setembro do ano passado por três outros assassinatos em 2004 e 2005.

O processo de julgamento e o veredicto foram vistos como um potencial divisor de águas no Líbano, onde os assassinatos são quase sempre realizados com impunidade e os fatores regionais que ditam os eventos geralmente permanecem opacos.

"O ataque tinha o objetivo de repercutir no Líbano e na região. Os efeitos pretendidos não se limitaram apenas aos apoiadores do Sr. Hariri... Foram projetados para desestabilizar o Líbano em geral", escreveram os julgadores.

A decisão foi recebida com ruas quase vazias na capital libanesa e nenhum sinal de agitação. O Hezbollah havia dito, anteriormente, que iria ignorar a decisão do tribunal e, na noite passada (17), instou seus apoiadores a evitarem pontos de inflamação conhecidos na cidade.

Falando depois do resultado, Saad al-Hariri, filho do homem morto e também um ex-primeiro-ministro libanês, disse: que "todos nós sabíamos a verdade hoje. O veredicto envia uma mensagem aos assassinos de que a era dos crimes políticos acabou ."



    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários