Farmacêuticas
Reprodução Twitter @sebastianarcher
Farmacêuticas



A pandemia já matou mais de meio milhão de vidas em todo o mundo, enquanto empresas farmacêuticas aproveitam para faturar  com medicamentos que poderiam retardar a escalada de mortes.

O Remdesivir nasceu, com outro nome, após uma pesquisa desenvolvida para combater o Ebola em 2013. Menos eficaz do que outras drogas, caiu no esquecimento, desengavetado com a pandemia do covid-19, Gilead, a farmacêutica que o criou, testou para vereficar seus novos resultados. Para surpresa, tornou-se o primeiro medicamento aprovado pela União Europeia para combater o coronavírus.

A indústria farmacêutica, envolta em suspeitas,  por seus enormes benefícios e por administrar seus negócios no meio do caminho, entre a saúde e o lucro alto. Assistindo a Sicko, o documentário dirigido por Michael Moore, confirma-se a triste realidade da saúde, comercializada na medula óssea em muitos países ao redor do mundo. De mãos dadas com o diretor, um punhado de americanos atravessou os poucos quilômetros que separam os EUA de Cuba para descobrir um sistema em que a assistência médica podesse ser completamente gratuita para os cidadãos.

Os gastos públicos com produtos farmacêuticos aumentaram na Espanha para 18.709 milhões, mais de 4% em relação ao ano anterior. Os medicamentos são caros, quem paga por eles. Os países que possuem seguro social ou saúde pública impedem seus cidadãos de serem hipotecados para salvar suas vidas, mas, em vez disso, verificam como os gastos aumentam a cada ano, para níveis quase insustentáveis, porque a indústria farmacêutica tem total liberdade para definir preços de venda.

Na Espanha, durante 2019, os gastos públicos com produtos farmacêuticos subiram para 18.709 milhões, mais de 4% em relação ao ano anterior, de acordo com dados da Association for Fair Access to Medicine. Ramón Gálvez, neurologista e diretor-gerente por oito anos do Serviço de Saúde Castilla-La Mancha (Sescam), define a data para esse desvio neoliberal: "A indústria farmacêutica mudou em 1975. Organização Mundial do Comércio (OMC) argumentou que os medicamentos estavam sujeitos a patentes. Isso permite que a empresa que produz um medicamento inovador tenha pelo menos 20 anos de exclusividade para sua exploração.

Durante esse período, a empresa pode definir o preço que deseja ". Até então, os medicamentos nunca foram registrados sob patentes. Na Espanha, a aplicação do regulamento é de 1985, entrando totalmente nessa dinâmica em 1989.



    Veja Também

      Mostrar mais