Bandeira Espanha
Reprodução/Twitter
Países da UE não são obrigados a adotar medidas, mas fronteiras podem ser fechadas dentro do próprio bloco

A União Europeia aprovou hoje (30) a reabertura das fronteiras a partir do dia 1° de julho para turistas de 15 países, com o objetivo de conter o alastramento do novo coronavírus (Sars-CoV-2) enquanto algumas atividades são retomadas. Com surtos descontrolados, viajantes oriundos de Brasil, Estados Unidos e Rússia estão proibidos de entrar nos países que compõem a união.

Leia também:

A medida não tem caráter imigratório, mas sim sanitário. Portanto, brasileiros, russos e americanos não serão proibidos de entrar na União Europeia se estiverem vindo de um dos 15 países autorizados. Da mesma forma, um turista japonês que estiver no Brasil não poderá entrar na União Europeia; ainda que o tráfego com o Japão esteja autorizado. 

A lista de países com fronteiras abertas para a União Europeia* será atualizada a cada duas semanas, levando três critérios em consideração. São eles:

Índice de novos casos de Covid-19

O índice de novos casos de Covid-19 por número de habitantes deverá estar perto do europeu. Brasil e Estados Unidos registram cerca de 30 mil casos novos de Covid-19 por dia, enquanto a média da maioria dos países que compõem a União Europeia permanece na faixa de 300 nos últimos dias.

Tendência dos dias anteriores

A União Europeia irá avaliar se o número de novos casos de Covid-19 é crescente ou decrescente para categorizar a autorização. A conclusão será tirada com base nos dados epidemiológicos divulgados nos 14 dias anteriores.

Resposta à pandemia

O enfrentamento à pandemia também será categorizado pela União Europeia como um dos critérios para abertura de fronteiras. Quantidade de informações disponíveis, efetividade da testagem, vigilância, contenção e transparência serão avaliados.

Apesar das restrições, cidadãos da União Europeia e seus parentes têm passagem livre, mesmo que não estejam nos países listados. Estrangeiros que sejam residentes oficiais dos países que compõem o bloco e seus parentes também poderão viajar à União Europeia. Viajantes com funções essenciais serão autorizados.

*Argélia, Austrália, Canadá, Geórgia, Japão, Montenegro, Marrocos, Nova Zelândia, Ruanda, Sérvia, Coreia do Sul, Tailândia, Tunísia, Uruguai e China

    Veja Também

      Mostrar mais