Cardeal George Pell pode ser alvo de nova investigação
Reprodução
Cardeal George Pell pode ser alvo de nova investigação


Um relatório da Royal Commission, da Austrália , acusou o cardeal católico George Pell de acobertar denúncias de abusos sexuais de padres desde a década de 1970. Segundo o grupo, as informações estão no relatório finalizado em 2017, mas só foram tornadas públicas agora para que elas não afetassem a análise dos juízes australianos durante o julgamento do prelado em outra acusação, por pedofilia .

No dia 7 de abril, a Alta Corte do país anulou a condenação a seis anos de prisão contra Pell por considerar que o depoimento de apenas uma pessoa não era prova cabal para a sentença. O documento divulgado afirma que o ex-tesoureiro do Vaticano “desde 1973, não apenas estava consciente dos abusos sexuais contra menores por parte do clero, mas tinha tomado medidas para evitar que comentários sobre os casos se espalhassem”.   

A Royal Commission afirma que, em 1982, o religioso decidiu pela transferência do padre Gerald Ridsdale , um dos principais responsáveis pelos crimes do tipo no país, condenado por abusar de cerca de 500 vítimas , para uma outra paróquia – onde teria continuado a cometer os abusos.   

Leia também: Americano preso na Venezuela diz que integrava missão para sequestrar Maduro

Quando era bispo-auxiliar de Melbourne, no ano de 1989, Pell também teria pedido aos seus superiores à época para remover o padre Peter Searson, acusado e condenado por cometer crimes sexuais tanto dentro da paróquia como em escolas em três distritos australianos por mais de uma década.

Manifestação de Pell

Em um comunicado difundido hoje, Pell se disse surpreso “com alguns dos pareceres da Comissão” e destacou que as acusações “não são baseadas em provas”. Segundo o religioso, a transferência de Ridsdale não foi feita para acobertar as denúncias e que ele não tinha conhecimento delas à época.

O ex-número três do Vaticano acrescentou que, durante uma reunião com uma delegação da paróquia de Deveton, em 1989, sobre o padre Searson, não foram mencionadas as violências sexuais e nem que a delegação teria pedido para remover o sacerdote.   

    Veja Também

    Mais Recentes

      Mostrar mais

      Comentários