Avigan, cujo nome genérico é Favipiravir, tem uma história regulatória peculiar e um efeito colateral perigoso: defeitos congênitos
Kazuhiro Nogi / Reprodução
Avigan, cujo nome genérico é Favipiravir, tem uma história regulatória peculiar e um efeito colateral perigoso: defeitos congênitos



Assim como o presidente dos EUA, Donald Trump, exaltou a  promessa de um remédio - usado no combate à malária - na busca desesperada por tratamentos contra o coronavírus, o primeiro-ministro do Japão, Shinzo Abe, está divulgando que uma pílula amarela caseira poderia ser crucial para combater a pandemia. 

Abe está "vendendo" o medicamento caseiro, um antiviral conhecido como Avigan , em coletivas de imprensa e em reuniões com líderes mundiais, incluindo Trump. Ele destinou quase US$ 130 milhões para triplicar o estoque do medicamento e ainda se ofereceu para fornecê-lo gratuitamente a dezenas de outros países.

O primeiro-ministro, no entanto, encobriu um fato crucial: não há evidências sólidas de que a Avigan trabalhe contra a Covid-19. Embora tenha demonstrado potencial para o tratamento de algumas doenças mortais como o Ebola em estudos com animais, as descobertas sobre como ele funciona com outras enfermidades são limitadas .

Até o momento, o que Avigan, cujo nome genérico é Favipiravir, possui é um efeito colateral potencialmente perigoso: defeitos congênitos. O próprio Abe observou, em uma entrevista na segunda-feira (04), que o efeito foi "o mesmo que a talidomida", que causou deformidades em milhares de bebês nas décadas de 1950 e 1960.

Os argumentos de defesa do primeiro-ministro sobre o medicamento - como os depoimentos de Trump para o antimalárico hidroxicloroquina - estão aumentando as preocupações de que os líderes mundiais possam distorcer os processos na aprovação de tratamentos.


    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários