A migração ao redor do mundo, particularmente das nações mais pobres para as mais ricas, diminuiu drasticamente
Reprodução
A migração ao redor do mundo, particularmente das nações mais pobres para as mais ricas, diminuiu drasticamente


Um abrigo para imigrantes no sul do México, chamado La 72, é, há anos, uma parada popular para quem viaja da América Central para os Estados Unidos. No ano passado, o local recebeu um número recorde de pessoas, às vezes abrigando mais de 2 mil por mês.

Nas últimas semanas, no entanto, esse tráfego foi interrompido e até revertido. Desde o final de março, em meio à pandemia de coronavírus, não mais de 100 migrantes passaram pelo abrigo. E quase todos estavam indo para o sul, tentando voltar para casa na América Central.

"Nunca vimos isso antes", diz Ramón Márquez, ex-diretor do abrigo, a Kirk Semple, repórter do Times sediado na Cidade do México. "Nunca vi nada de migração lenta como o coronavírus ".

Você viu?

Fechamentos de fronteiras, programas de asilo suspensos, interrupções no transporte global e isolamento social restringiram drasticamente a imigração ao redor do mundo, particularmente das nações mais pobres para as mais ricas .

Na América Latina, as rotas migratórias outrora lotadas que levavam da América do Sul, através da América Central, México e Estados Unidos, ficaram em silêncio , com o governo de Donald Trump aproveitando o vírus para fechar a fronteira para quase todos os imigrantes.

Mas o fenômeno se estende muito além das Américas. As fazendas na Europa Ocidental estão enfrentando graves déficits de mão-de-obra, já que as proibições de viagens bloquearam o movimento de trabalhadores migrantes sazonais da Europa Oriental.

"A pandemia essencialmente - não absolutamente, mas essencialmente - interrompeu a migração e a mobilidade internacional", afirmou Demetrios G. Papademetriou, co-fundador e presidente emérito do Migration Policy Institute, em Washington.

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários