covid-19
Reprodução
A conclusão é baseada na análise de três considerações importantes, incluindo o papel das gotículas como rota de transmissão e se as máscaras podem ajudar a reduzir a dispersão das gotículas


Um debate sobre um  novo relatório - que trata da eficácia no uso de máscaras faciais pelo público em geral, como uma abordagem para gerenciar a disseminação da Covid-19 na sociedade - está dividindo cientistas.

O relatório é de um grupo multidisciplinar convocado pela Royal Society, chamado Delve (Avaliação de Dados e Aprendizado para Epidemias Virais) que pesou as evidências e saiu em favor  das máscaras faciais, incluindo aquelas feitas dde pano caseiro, em uma tentativa de combater a doença.

"Nossa análise sugere que seu uso pode reduzir a transmissão progressiva por usuários assintomáticos e pré-sintomáticos, se amplamente utilizadas em situações em que o distanciamento físico não é possível ou previsível, contrastando com o uso padrão de máscaras para a proteção de usuários", observa o relatório. "Se usadas corretament e com base nisso, as máscaras faciais, incluindo máscaras de pano caseiras, podem contribuir para reduzir a transmissão viral."

A conclusão é baseada na análise de três considerações importantes , incluindo o papel das gotículas como uma via de transmissão e se as máscaras podem ajudar a reduzir a dispersão das gotículas. No entanto, os autores observam que o número de estudos ainda é baixo.

Mas o relatório levou outros cientistas a expressarem suas reservas, alertando que isso não passava de opinião e exagerava as evidências disponíveis. Alguns deles usaram as redes sociais para expor as opiniões. 

Simon Clarke, professor associado de microbiologia celular da Universidade de Reading, disse que o relatório " deixa de fornecer novas evidências e também descarta casualmente o princípio da precaução ao abordar a possibilidade de que máscaras e coberturas possam ter efeitos negativos no comportamento das pessoas".

Ele acrescentou que "até que mais evidências sejam apresentadas em qualquer direção, todos os conselhos podem ser baseados em opiniões".

Ben Killingley, consultor em Medicina e Doenças Infecciosas do Hospital da University College London, também foi crítico . "O relatório é muito otimista sobre o valor das coberturas faciais e é incorreto concluir que as evidências mostram que a cobertura facial pode reduzir a transmissão viral na comunidade", afirmou ele.

Killingley ainda declarou que o levantamento oferece dados não tão precisos . "Isso não quer dizer que revestimentos faciais possam não ser úteis", disse ele, observando que os estudos com máscaras não foram realizados durante uma pandemia ou no contexto de um novo vírus. "No entanto, o relatório, na minha opinião, não representa com precisão as evidências existentes nas coberturas faciais", pontuou o especialista.

Antonio Lazzarino, do Departamento de Epidemiologia e Saúde Pública da University College London, concordou. "As evidências de que precisamos antes de implementar intervenções públicas que envolvem bilhões de pessoas devem derivar idealmente de ensaios clínicos randomizados em nível populacional ou, pelo menos, de estudos observacionais de acompanhamento com grupos de comparação", disse Lazzarino, que  reiterou a necessidade de especialistas continuarem analisando os prós e os contras do uso de máscaras.

    Veja Também

      Mostrar mais