Mundo devia ter nos ouvido em janeiro, diz diretor da OMS
Reprodução/Twitter
diretor-geral da OMS, Tedros Adhanon

O diretor-geral da Organização Mundial da Saúde ( OMS ), Tedros Adhanon, afirmou, nesta segunda-feira (27), que o mundo devia ter ouvido o alerta máximo que a entidade emitiu em 30 de janeiro, quando havia apenas 82 casos da doença fora da China, para combater a expansão do novo coronavírus (Sars-Cov-2). 

Leia também: Coronavírus no Brasil: acompanhe a situação no País em tempo real

"As diretrizes da OMS não são mandatórias [obrigatórias], mas são baseadas no que há de mais consistente na pesquisa científica", defendeu o diretor da OMS. Em janeiro, a organização já havia iniciado a recomendar algumas medidas aos países, como pedir que a população evitasse sair de casa, decretar quarentenas e respeitar o distanciamento físico. 

Quatro meses depois do anúncio realizado no final de janeiro, o mundo contabiliza quase três milhões de casos do novo coronavírus e mais de 200 mil mortes. Apesar disso, ele afirma que “a OMS está comprometida a fazer tudo o que pode para ajudar todos os países”.

Leia também: De gripezinha a "não é tudo isso": vezes em que Bolsonaro minimizou coronavírus

Mas o diretor da OMS destaca a necessidade dos governos locais estarem preparados para lidar com a pandemia. “Unidade nacional é a base para solidariedade global. Esse vírus não será vencido se nós não estivermos unidos”.


    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários