Por estigmas sociais e LGBTfobia, população LGBT+ é vulnerável ao vírus
Pinterest
Por estigmas sociais e LGBTfobia, população LGBT+ é vulnerável ao vírus


Na última sexta-feira, 24, a  Organização das Nações Unidas (ONU) fez um pedido aos países para que criem medidas durante a pandemia do novo coronavírus para proteger a comunidade LGBT+ . Segundo a organização, essa fatia da população pode ter receios ao buscar serviços de saúde pela LGBTfobia, mas é vulnerável à Covid-19 .

Michelle Bachelet, Alta Comissária para os Direitos Humanos, emitiu um comunicado sobre o caso. "As pessoas LGBT+ estão entre as mais vulneráveis e marginalizadas em muitas sociedades e entre as que estão mais em risco com o Covid-19", disse. "Sabemos que os esforços para combater a pandemia só funcionarão se os direitos de todos à vida e à saúde estiverem protegidos."

Leia também: Desfile de 50 anos da Parada LGBT é cancelada nos EUA

Você viu?

Pessoas LGBT+ , principalmente a população transgênero e travesti, poder ser mais vulneráveis por conta da exposição ao HIV ou Aids. Por serem consideradas grupo de risco dessas doenças, o sistema imunológico de infectados é comprometido.

Leia também: ONU mapeia projetos de enfrentamento à pandemia de Covid-19 no Brasil

Leia também: Medidas contra o coronavírus não devem suprimir direitos humanos, diz ONU

Além disso, a ONU afirmou que LGBT+ têm mais chances de ficarem desabrigados, o que dificulta higiene segura e o isolamento físico. A organização chama atenção, ainda, à alta possibilidade de LGBT+ serem vítimas de violência doméstica.

Segundo a Alta Comissária, não são novos os estigmas por parte de serviços de saúde em relação às pessoas LGBT+ , que se sentem inseguras ao buscar atendimento. Para evitar propagação do vírus, casas de acolhimento no mundo todo, que tendem a oferecer assistência, foram obrigados a fechar suas portas.

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários