Probição de aglomerações vigora na Itália desde o dia 10 de março. arrow-options
Wikimedia Commons
Probição de aglomerações vigora na Itália desde o dia 10 de março.


O presidente da Conferência Episcopal Italiana (CEI), cardeal Gualtiero Bassetti, pediu que o governo italiano volte a permitir as celebrações religiosas como missas, batismos e funerais , que estão proibidos desde a aplicação da quarentena obrigatória por conta da pandemia de Covid-19 , deonça causada pelo novo coronavírus (Sars-CoV-2).   

“Chegou o momento de retomar a celebração da Eucaristia dominical e dos funerais nas igrejas, além de batismos e todos os outros sacramentos, naturalmente seguindo todas as medidas necessárias para garantir a segurança da presença de mais pessoas em locais públicos”, escreveu o religioso em carta para as dioceses.   

O cardeal fez o pedido dizendo que a Igreja Católica do país, “assim que percebeu que o perigo de contágio na Itália era mais do que real”, suspendeu as eucaristias, que são a “fonte de toda a vida cristã”.

“Com generosidade e criatividade e, porque não, com coragem, todos se dedicaram a multiplicar as ocasiões de missas em streaming, celebrações televisivas em igrejas vazias com celebrantes solitários, a começar pelo próprio papa Francisco.    Mas, ‘olhar’ para a missa, não é celebrá-la. Missa sem povo, povo sem missa”, destacou ainda.   

Segundo Bassetti, a Igreja focou na “maturidade e na responsabilidade do povo cristão em celebrar a palavra de Deus e de pregar a liturgia”. “Mas, agora, eu digo com a consciência com todas as instituições, chegou o tempo de retomar a celebração da Eucaristia”, finalizou.   

Leia também: Espanha registra 367 mortes por Covid-19 nas últimas 24h, menor número em um mês

Desde o dia 10 de março, a Itália vive um “lockdown ” em todo o país e que proíbe qualquer tipo de atividade pública por conta da aglomeração. No entanto, a partir de 4 de maio, haverá a chamada “fase dois” do combate à pandemia, com a flexibilização de parte das normas de restrição em todos os setores. Até o momento, não há a sinalização de que as celebrações religiosas poderão ser retomadas.

    Veja Também

      Mostrar mais