onu arrow-options
UN / Flickr / Creative Commons
Alerta foi dado pelo Secretário-Geral das Organização das Nações Unidas (ONU)



A pandemia de coronavírus não deve ser usada como pretexto para que Estados autoritários atropelem os direitos humanos individuais ou reprimam o livre fluxo de informações, alertou o secretário-geral da ONU, António Guterres, nesta quinta-feira (23), em uma nova tentativa de influenciar a influência da ONU. Ele disse que o que havia começado como uma emergência de saúde pública estava rapidamente se transformando em uma crise de direitos humanos .

As respostas governamnetais à crise foram consideradas desproporcionais em países como China, Índia, Hungria, Turquia e África do Sul.

Guterres já pediu um cessar-fogo global e chamou atenção para um aumento da violência doméstica como resultado do vírus, mas a ONU foi criticada coletivamente por não ter um impacto na crise.

Em sua última intervenção , ele alertou que "o vírus está tendo um impacto desproporcional em certas comunidades através do aumento do discurso de ódio, do direcionamento de grupos vulneráveis ​​e dos riscos de respostas de segurança pesadas que prejudicam a resposta à saúde".

Em seu novo relatório sobre a Covid-19 e os direitos humanos, a ONU destacou o uso de frases como "doença de estrangeiros" para descrever o vírus, dizendo que tais observações podem levar à discriminação, xenofobia, racismo e ataques.

Ao divulgar o relatório, Guterres pediu que todos os estados de emergência fossem proporcionados e limitados no tempo, com foco e duração específicos.

A liberdade de movimento precisava ser reduzida, ele admitiu, mas disse que a escala de tais restrições pode ser reduzida por testes eficazes e medidas direcionadas de quarentena. Ele informou que mais de 131 países fecharam suas fronteiras, com apenas 30 permitindo isenções para requerentes de asilo.

A melhor solução, disse Guterres, é que os governos sejam abertos e transparentes sobr e seus esforços para restringir o vírus, inclusive permitindo que seus grupos de oposição ou da sociedade civil examinem online o executivo.

Embora a ONU reconheça que novas tecnologias podem ajudar na luta contra o vírus, inclusive analisando sua disseminação, "o uso de inteligência artificial e big data para impor medidas de emergência ou rastrear populações impactadas levanta preocupações ", alertou.

O relatório da ONU observa ainda que"o potencial de abuso é alto: o que é justificado durante uma emergência agora pode se normalizar depois que a crise passar".

"Sem salvaguardas adequadas, essas poderosas tecnologias podem causar discriminação, ser intrusivas e violar a privacidade ou podem ser implantadas contra pessoas ou grupos para fins que vão muito além da resposta à pandemia", finaliza o documento.

    Veja Também

      Mostrar mais