Recentemente as medidas de isolamento impostas pelo governo israelense geraram contrastes com a comunidade ultraortodoxa do país. Alguns rabinos rebateram ou ignoraram as restrições.

Leia também: Covid-19: "teste do vinagre" ajuda a identificar pacientes assintomáticos

rabino Meir Mazuz arrow-options
Reprodução
rabino Meir Mazuz

O rabino Meir Mazuz , por exemplo, que já deu declarações controversas no passado, chegou a dizer que a Covid-19 era uma punição divina às paradas de orgulho gay. A repercussão foi tão grande que a frase chegou a ser atribuída equivocadamente ao ministro da Saúde de Israel, Yaacov Litzman , que também faz parte da comunidade ultraortodoxa.

Leia também: Moradores de favelas relatam desabastecimento e medo da covid-19

As declarações do rabino Meir Mazuz, segundo o jornal Israel Hayom , foram condenadas por grupos de direitos humanos, incluindo a Liga Anti-Difamação, que pediu uma retratação do mesmo.

Leia também: Walmart enfrenta processo após morte de funcionário por Covid-19

Na última quarta-feira (01), o primeiro-ministro de Israel, Benjamin Netanyahu, anunciou um cordão policial em torno da cidade ultraortodoxa de Bnei Brak para limitar o movimento de pessoas. Israel registra até o momento mais de 9 mil casos da Covid-19 , com 61 mortos.

Erramos: 

"Numa versão anterior desta postagem, afirmamos que a frase preconceituosa teria sido dita pelo Ministro da Saúde de Israel, Yaacov Litzman, que também foi infectado pela doença. Pela confusão, pedimos desculpas aos leitores"

    Leia tudo sobre: gay

    Veja Também

      Mostrar mais