corona
Tânia Rêgo/Agência Brasil
Mais de 20% dos trabalhadores vivem em países afetados por medidas de bloqueio total ou parcial


A interrupção nas economias mundiais causada pela pandemia da Covid-19 deve eliminar 6,7% das horas de trabalho globalmente no segundo trimestre deste ano. Isso é o equivalente a 195 milhões de empregos em todo o mundo, de acordo com uma agência trabalhista da Organização das Nações Unidas (ONU).

Mais de 20% deles vivem em países afetados por medidas de bloqueio total ou parcial, informou a Organização Internacional do Trabalho (OIT), em um relatório divulgado nesta terça-feira (07).

A ONU tem apoiado as medidas fiscais e monetárias aplicadas até o momento, mas pediu aos países para manterem as pessoas conectadas aos empregos, para que não haja mais desligamentos .

"O que fazemos agora em termos de manter essa relação entre trabalhadores e suas empresas para mantê-los no mercado de trabalho, que pagará dividendos quando se trata da trajetória e do gradiente de recuperação, esperançosamente, no final deste ano", disse o britânico Guy Ryder, diretor-geral da OIT, disse em entrevista coletiva.

Os trabalhadores do setor informal - que representam 61% da força de trabalho global, ou seja, 2 bilhões de pessoas - precisarão de apoio à renda apenas para sobreviver e alimentar suas famílias se seus empregos desaparecerem.

"São pessoas que geralmente não têm acesso às proteções sociais normais que podem ter um status formal de emprego", disse Ryder.

A OIT não projetou com precisão quantos trabalhadores ficariam desempregados com a crise, embora tenha dito que seria " significativamente maior " do que os 25 milhões previstos no mês passado. No início deste ano, 190 milhões de trabalhadores estavam desempregados em todo o mundo.

Os quatro setores mais atingidos em todo o mundo, segundo o relatório, são:

Alojamento e serviços de alimentação.
Fabricação.
Serviços de varejo e comerciais.
Atividades administrativas.

    Veja Também

    Mais Recentes

      Mostrar mais

      Comentários