coronavírus
Pixabay/rottonara
Militantes conseguiram comprar tabletes para distribuir em hospitais a partir da ação da médica Francesca, na Itália

A Itália atravessa tempos difíceis devido a pandemia do covid-19, novo coronavírus. Até o momento, o número de contaminados que morreu em decorrência do novo coronavírus gira em torno de 5,5 mil e muitos não conseguem se despedir dos familiares, principalmente os pacientes mais velhos.

Leia também: 'Estamos completamente abandonados aqui', dizem estudantes que moram na USP

Quando internados, os idosos com coronavírus têm poucas chances de sobreviver e ficar sozinhos. Para tentar atenuar o sofrimento, a médica Francesca Cortellaro, do hospital San Carlo Borromeu, em Milão, pensou em um jeito de ajudar os pacientes em situação terminal.

"Você sabe o que é mais dramático? Observar os pacientes morrendo sozinhos, escutá-los pedir que se despeça seus filhos e netos por eles", disse ela ao jornal italiano Il Giornale. 

Uma idosa havia pedido a Cortellaro que visse a neta pela última vez antes de morrer. A médica fez cedeu o telefone e fez uma ligação para ela em vídeo . "Elas se despediram. Logo depois, ela se foi". 

A história contada pela médica motivou um grupo de militantes do partido democrático de Milão a liderar uma iniciativa que possibilitasse aos idosos isolados a despedida dos entes queridos. 

Leia também: Mortes por coronavírus sobem para 34 e casos confirmados são 1.891

Batizada com o nome "O Direito de Dizer Adeus", a iniciativa conseguiu cerca de 20 tabletes. Os equipamentos distribuíram no Hospital San Carlo para permitir que videochamadas fossem realizadas. 


    Veja Também

      Mostrar mais