TRUMP
Shealah Craighead/Official White House
Donald Trump, presidente dos Estados Unidos

O presidente dos Estados Unidos,  Donald Trump , declarou estado de emergência no país para enfrentar a epidemia do novo coronavírus, garantindo que até US$ 50 bilhões sejam distribuídos aos estados e locais específicos para ajudar no combate à pandemia da doença.

Leia mais: Policiais são demitidos na Rússia após tirarem selfie com cadáver

Trump, que vem sendo criticado pela falta de acesso aos testes, mesmo pagos, também prometeu disponibilizar por meio de um parceria com o sistema privado mais 1,4 milhões de exames até a semana que vem e até cinco milhões até o fim do mês. Não ficou claro, no entanto, se os testes serão gratuitos. Os casos nos EUA superaram os 1.800 e o número de mortos subiu para 41.

No começo da semana, o presidente já havia anunciado a suspensão todos os voos da Europa para os  Estados Unidos  por 30 dias, em razão da pandemia. Em resposta, diversos turistas americanos correram a aeroportos na Europa para tentar voltar ao país.

Trump invocou a Lei Stafford, que capacita a Agência Federal de Gerenciamento de Emergências (Fema, na sigla em inglês) a coordenar a resposta a desastres e ajudar os governos estaduais e locais.

"É uma grande quantidade para que os estados lutem contra essa doença. Todos os estados terão apoio de companhias médicas e vão trabalhar diretamente comigo. Estou pedindo a todos os estados que estabeleçam centros de operações de emergência efetivos imediatamente", disse o presidente.

Durante pronunciamento, o republicano ainda pediu para todos os hospitais e centros médicos ativarem seus planos de emergência. Apesar da parceria anunciada para ampliar o acesso aos exames, Trump afirmou que só devem fazer os testes aqueles que se encaixam em critérios.

"Nós não queremos todos fazendo o teste, isso é totalmente desnecessário. Vamos mudar muitas das antigas regras, especificações e regulações".

Enquanto Trump anunciava as medidas, a Câmara dos Representates dos EUA, liderada pelos democratas, apresentava um pacote de ajuda a coronavírus apesar da oposição do presidente. O projeto prevê testes gratuitos de coronavírus e duas semanas de licença médica e familiar remunerada para as pessoas afetadas pelo vírus.

"Só podemos derrotar esse surto se tivermos uma determinação precisa de sua escala e escopo", disse a líder democrata Nacy Pelosi em um discurso televisionado antes da entrevista coletiva de Trump.

O presidente também anunciou uma parceria com o Google para a disponibilização de um site com perguntas para determinar se a pessoa deve ser testado para o coronavírus.

Nesta sexta-feira, o primeiro-ministro espanhol Pedro Sánchez também anunciou que irá declarar formalmente estado de emergência no sábado. O governo de Portugal, por sua vez, decretou estado de alerta para mobilizar o serviço de proteção civil, a polícia e o Exército em seus esforços para controlar a pandemia. Com o objetivo de limitar a propagação do vírus, o governo português aprovou quase 30 medidas de exceção, dentre elas a interdição de praias no Norte do país e o fechamento, a partir de segunda-feira, de creches, escolas e universidades.

Mais cedo, a Organização Mundial de Saúde (OMS) informou que a Europa é o novo epicentro da pandemia do novo coronavírus. De acordo com o chefe da OMS, Tedros Adhanom Ghebreyesus, que falou nesta sexta-feira em uma videoconferência, os casos registrados no continente "já superam a soma de todos os outros países do mundo, com exceção da China ".

Leia também: Após negativo para coronavírus, Bolsonaro volta a trabalhar e evita apoiadores

Entre os 10 países com mais casos, sete estão na Europa . Depois da Itália, a Espanha é a quinta, com 4.334, e a Alemanha está no sexto lugar, com 3.156, seguida pela França, com 2.882.

    Veja Também

      Mostrar mais