Chelsea Manning
Wikimedia Commons
Chelsea Manning se recusou a depor contra Julian Assange, fundador do WikiLeaks

 A ex-soldado transgênero norte-americana Chelsea Manning , fonte de um dos vazamentos de documentos confidenciais dos Estados Unidos ao WikiLeaks, foi internada depois de tentar suicídio em um centro penitenciário na Virgínia.

Leia também: Casa Branca diz que Trump não precisa testar para saber se está com coronavírus

A informação foi revelada nesta quinta-feira (12) pelo advogado da ex-militar, que está detida desde maio de 2019, quando se recusou a prestar depoimento pela segunda vez sobre uma investigação contra o fundador do WikiLeaks , Julian Assange. Na ocasião, ela foi condenada por desacato ao tribunal.

Em um comunicado, a xerife de Alexandria, Dana Lawhorne, informou que "houve um incidente no Centro de Detenção de Adultos de Alexandria, envolvendo Chelsea Manning, que "foi tratado adequadamente por nossa equipe profissional".

Manning é investigada pelo vazamento de documentos oficiais ao WikiLeaks, de Assange. O australiano está preso desde 11 de abril, quando o governo equatoriano decidiu revogar a concessão de asilo a ele.

Assange é acusado de pirataria informática pelo governo americano e conspiração com Manning, em 2010. Um tribunal de Londres o condenou a 50 semanas de prisão (cerca de um ano) por ter violado uma medida de liberdade condicional.

Leia também: Homem armado invade universidade na França

Em 2013, Manning, inclusive, chegou a ser condenada a 35 anos de detenção depois de ser considerada culpada de cometer o maior vazamento de informações sigilosas da história do país . No entanto, o então presidente Barack Obama comutou sua pena e ela foi colocada em liberdade. 

    Veja Também

      Mostrar mais