Protestos no Chile
Reprodução/Twitter
Protestos no Chile começaram contra aumento em tarifas de metrô

As ruas de Santiago , no Chile , voltaram a ser tomadas por manifestações na tarde desta segunda-feira (2), deixando pelo menos 283 detidos e 76 policiais feridos, segundo um balanço oficial do governo. Durante os protestos, lojas foram saqueadas e pontos de transporte público foram alvos de ataques por parte dos manifestantes.

As convocações foram feitas para o início de março, quando a maioria das atividades produtivas do país começa após o feriado, e o local onde os protestos foram mais intensos foi na Plaza Italia, onde houve confrontos com a polícia.

Ao anoitecer, os confrontos se deslocaram para várias áreas da periferia de Santiago, onde foram erguidas barricadas e houve vários ataques a empresas. Por volta das 22h, no horário local, o sistema de transporte público da capital chilena foi suspenso por segurança e só retomou sua operação durante a madrugada.

Leia também: Novos protestos violentos no Chile já deixam quatro mortos em 2020

A ferrovia metropolitana também fechou para segurança 15 estações e foram reabertas na manhã desta terça-feira (3).

Os protestos em Santiago começaram em outubro do ano passado contra o aumento das tarifas do metrô cidade. As manifestações cresceram e rapidamente se tornaram uma reivindicação generalizada a favor de profundas reformas sociais, em um país com altos níveis de desigualdade.

    Veja Também

      Mostrar mais