Atuação do papa Pio XII durante a Segunda Guerra Mundial sempre gerou controvérsia
Ansa
Atuação do papa Pio XII durante a Segunda Guerra Mundial sempre gerou controvérsia


O Vaticano abriu nesta segunda-feira (2) os arquivos secretos relativos ao pontificado de Pio XII (1939-1958), acusado de não ter se oposto à perseguição de judeus pelos nazistas .

A iniciativa havia sido anunciada pelo papa Francisco há cerca de um ano, e a data foi escolhida por marcar o aniversário da eleição de Eugenio Pacelli para o trono de Pedro. Pio XII é acusado de ter se omitido perante os horrores do Holocausto, especialmente por não ter condenado publicamente o nazismo e a matança de judeus Segunda Guerra Mundial.

Já o Vaticano alega que Pacelli promoveu uma diplomacia de bastidores para salvar o maior número possível de pessoas, inclusive abrigando judeus em igrejas e conventos na Itália .

Leia também: Doente, Papa Francisco cancela compromissos públicos pelo 3º dia consecutivo

"A figura do Papa emerge em toda a sua grandeza, como defensor da humanidade e autêntico pastor universal. Pacelli foi um diplomata corajoso. Como Papa, mostrou uma caridade ilimitada, nem sempre compreendida e compartilhada até mesmo dentro dos muros do Vaticano", disse o secretário para as Relações com Estados da Santa Sé, monsenhor Paul Gallagher, ao site Vatican News.

Segundo Gallagher, os arquivos evidenciarão os "esforços" de Pio XII para "salvar pessoas perseguidas e necessitados em perigo". "Emergirá, seguramente, também o ódio do nazismo contra a Igreja Católica e o próprio Papa", garantiu.

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários