Sarwa gargalha ao ouvir o som de bombardeios na Síria
Reprodução
Sarwa gargalha ao ouvir o som de bombardeios na Síria


A pequena Salwa, de três anos, vive em uma zona de guerra na Síria , e cai na gargalhada sempre que escuta o som de bombardeios. Isso porque o pai dela, Abdullah al-Mohamed, criou uma brincadeira, dizendo à criança que os sons são de bombas de estalo usadas por outras ciranças.

Um vídeo feito por al-Mohamed mostra o momento de distração, com a menina gargalhando ao ouvir o som de uma explosão nas proximidades. “Isso é um avião? Uma bomba? Quando  vier a próxima vamos rir?”, Então a bomba explode e a menina começa a gargalhar. “Isso te faz rir?”, o pai pergunta. Ela responde: “Sim, é engraçado”.


O vídeo foi filmado em Sarmada, uma pequena cidade da Síria perto da fronteira com a Turquia. Abdullah al-Mohamed morava com sua família em Saraqueb, mas teve que se mudar do local porque os ataque aéreos ficaram muito intensos, se refugiando na casa de amigos.

Sem medo

A fuga amenizou os perigos, mas o som de bombardeios continua presente na rotina da família. Por isso, al-Mohamed resolveu desenvolver a brincadeira para tentar fazer com que a filha não sentisse medo.

“Crianças da nossa vizinhança costumavam brincar com bombas de estalo.  Uma vez, eles estouraram para celebrar o Eid (Celebração do fim do jejum) e Salwa ficou aterrorizada com o barulho. Eu leve ela ao terraço e mostrei que era apenas uma brincadeira de crianças”, explicou al Mohamed.

Leia também: Em 3 meses, cerca de 800 mil pessoas foram desalojadas na Síria

“Eu tentei usar o mesmo pretexto para convencê-la que os bombardeios eram apenas uma brincadeira, que ela não deveria ter medo. Eu precisava remover o medo do coração dela. Eu queria que ela associasse esse som barulhento e assustador com algo leve e divertido”, completou.

Sofrimento

A Guerra da Síria está em curso desde março de 2011, quando começaram repressões violentas do governo diante de manifestações pacíficas. Foram  registradas mais de 380 mil mortes. Desde dezembro, 800 mil pessoas precisaram fugir do noroeste do país em razão da ofensiva do regime de Damasco.

    Veja Também

      Mostrar mais