tartaruga
Reprodução / Foto ilustrativa
Fóssil de tartarugas ancestrais foram encontrados por cientistas e trazem informações sobre ancestralidade da espécie.

Cientistas encontraram fósseis de uma tartaruga do tamanho de um carro no norte da América do Sul. A espécie provável do animal é a Stupendemys geographicus, que viveu na região entre 13 e 7 milhões de anos atrás. 

Leia mais: Bolsonaro chama Greenpeace de “lixo” e “porcaria”

Os fósseis foram achados no deserto de Tatacoa, localizado na Colômbia. Na área de Urumaco, na Venezuela, também foram encontrados. Os primeiros foram descobertos em 1970, mas desde então questões não ficaram esclarecidas sobre o animal de 4 metros de comprimento. 

A tartaruga tinha o equivalente, em peso e tamanho, de um carro sedã e vivia em área pantanosa no norte da América do Sul. Na época, as formações dos rios Amazonas e Orinoco ainda não haviam acontecido.

Características

O macho da espécie possuía chifres que apontavam para frente em ambos os lados do casco. Os cientistas acreditam que as cicatrizes profundas encontradas no casco dos fósseis indicam que os chifres eram usados como lanças em disputas com adversários. 

Um casco de 3 metros de comprimento foi encontrado, além do osso da mandíbula inferior. Os itens ajudaram a desvendar parte das pistas a respeito da alimentação da espécie. 

Leia também: Bolsonaro anuncia criação de Conselho da Amazônia sob comando de Mourão

Acredita-se que o animal vivia no fundo de lagos e rios ao lado de crocodilos gigantes, sobrevivendo à base de uma dieta diversa com pequenos animais, vegetais, frutas e sementes. Em um dos fósseis da espécie, os cientistas encontraram um dente de crocodilo gigante cravado.

    Veja Também

      Mostrar mais